Em meio a polêmicas, reforma administrativa passa pela Casa de Leis

Entre argumentos e polêmicas, entre extinções ou unificações de Secretarias na Prefeitura de Toledo, as readequações de órgãos e de cargos em comissão da administração direta passou pelo Legislativo. O Projeto de Lei 57/2021 que propõe a alteração foi aprovado por 11 votos favoráveis e seis contrários em segundo turno durante sessão extraordinária realizada na manhã de ontem (14).

De acordo com o vereador Chumbinho Silva, a Secretaria da Agricultura e do Abastecimento deveria tornar-se a Secretaria do Agronegócio. Para ele, essa seria uma iniciativa a ser parabenizada. “Porém aliar a Agricultura com a Indústria, Comércio e Turismo não é uma boa ideia. Também sou contrário às extinções das Secretarias da Mulher e da Juventude. Existem pontos positivos e negativos. Agora ser favorável ao ‘pacotaço’ é difícil”.

O líder de Governo vereador Dudu Barbosa disse que a Casa deve discutir políticas públicas. “Não podemos estar desconectados com a União e o Estado. Durante a campanha, todos buscavam por uma política pública com mais eficiência e é isso que estamos tentando. As mudanças estão conectadas com a União. O nosso voto é de confiança aos gestores e eles devem escalar ‘o time’ conforme suas escolhas. Caso ‘o time’ não funcione, nós fiscalizaremos”.

QUESTIONAMENTOS – Durante a discussão do projeto, muitos questionamentos foram realizados pelos vereadores. Entre eles, o motivo em não manter a Secretaria de Inovação, Desenvolvimento, Tecnologia e Turismo quando existe o Biopark, considerado o maior Parque Tecnológico da América Latina. Essa dúvida foi apresentada pelo parlamentar Jozimar Polasso. “Somos o maior PIB e não podemos manter a Secretaria de Agricultura? A Secretaria de Comunicação não seria um desprestígio com a categoria? E a Secretaria da Mulher? São pontos a serem revistos”.

Quem também esteve com dúvida foi o vereador Valdomiro Bozó. Ele questionou o orçamento e, principalmente, quais as ações serão efetivadas nas Secretarias. “Espero não precisar visitar os locais e fazer vídeos. Dias atrás, recebi um áudio que o Centro da Juventude recebeu a visitantes de outros Estado e o diretor chegou correndo; ele não sabia a porta de entrada do local”.

Bozó ponderou que os vereadores precisam respeitar a democracia, porque o prefeito foi eleito pela maioria. “Cabe a nós cobrarmos que sejam efetivadas pessoas competentes e capazes de conduzir suas funções”, disse ele, que acabou mudando seu voto em relação a segunda-feira e foi favorável ao projeto.

VOZ – O professor Oseias destacou a necessidade em melhor analisar o projeto. “As modificações propostas pelo atual governo não se tratam somente de uma placa, e sim, da dotação orçamentária. O que adianta extinguir Secretarias, porém criar novas funções gratificadas? Existe uma dotação orçamentária para cada política? Vale a pena esse sacrifício? Ninguém quer atrapalhar; nós só estamos pontuando”.

Ele complementou que “a Secretaria da Agricultura não está presente somente em Toledo, mas em outros municípios. A Secretaria da Mulher tem uma função histórica. Extinguir essa pasta é sim tirar o seu status”.

O parlamentar Gilson Francisco salientou que concedeu o voto favorável, mas que cobrará dos gestores e irá fiscalizar os trabalhos. O vereador Gabriel Baierle também foi favorável ao projeto e fiscalizará as ações. “Preciso ser coerente em meu voto e acredito que o trabalho continuará como se fosse Secretaria, porque a Prefeitura tem servidores que realizam seus serviços com qualidade. Sou chato e vou cobrar. Se tem alguém que vai fiscalizar essa reestruturação sou eu”.

O vereador Genivaldo Jesus defendeu o voto de confiança que deve ser dado aos gestores. O parlamentar Geraldo Weisheimer confia que os gestores farão um bom mandato. “Sou favorável ao projeto e as políticas públicas que serão realizadas”. O vereador Genivaldo Paes também foi favorável ao projeto e destacou a Secretaria da Família ao considerá-la importante.

Durante o seu pronunciamento, a vereadora Marly Zanete disse que defende a mulher e a família. “No interior, vivenciamos na pele o que sentimos aqui. Eu luto por um trabalho unido. É fácil falar agora, mas vai vivenciar lá fora. Defendo desde o humilde até o mais rico”.

Valdir Rossetto também disse defender a mulher e a família. “É importante fazer algo para unir, principalmente, quando se refere a família. Nasci e cresci no interior de Toledo. Sou agricultor e não tenho experiência na vida pública, mas represento o agronegócio. Sempre estarei aqui e não importa o partido. Fui eleito pelo povo e sempre vou defendê-lo”.

Para o vereador Beto Scain, alguns fatos estão sendo distorcidos. “Vai ter a união de Secretarias e não extinções. A união das pastas tem o objetivo de promover um trabalho mais forte desde a infância até o idoso. Toda a transformação foi debatida e estudada”.

A vereadora Olinda Fiorentin finalizou que recebeu mil votos nas eleições e ela possui mil razões para continuar lutando pelas mulheres e pela políticas públicas. “Não vou me calar e vou fiscalizar, caso tenha pingente político pendurado nestas coordenadorias”.

Da Redação

TOLEDO