Em Toledo, emprego formal apresenta saldo positivo de 472 vagas em novembro

O município de Toledo abriu 2.190 vagas formais de trabalho em novembro e fechou 1.718, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados na quarta-feira (23). Toledo encerrou o mês com o saldo positivo de 472 vagas de empregos.

Diante da sequência de dados positivos, o saldo acumulado em 2020 ficou positivo e chegou a um saldo de 2.602 postos de trabalho criados ao longo deste ano. O Município realizou 20.625 admissões e 18.023 desligamentos neste ano.

Em novembro, o segmento que mais admitiu trabalhadores é o da Indústria. O setor contratou 786 profissionais e desligou 568 trabalhadores, gerando um saldo positivo de 218.

O Comércio é o segundo setor que apresentou o maior saldo (198) no mês passado, com 580 admissões e 382 desligamentos.

Por sua vez, Serviços gerou mais empregos em comparação ao Comércio, porém o número de demissão também é maior. Serviços abriu 642 vagas de trabalho e desligou 574.

De acordo com o gerente da Agência do Trabalhador de Toledo Valduir Fernando Ferreira de Quadra, algumas atividades possuem mais contratações em relação a outras durante o ano de 2020. As contratações temporárias para o setor do Comércio iniciaram ainda em outubro. Ele explica que as admissões seguem tanto para o setor da Indústria como ao de Serviços, devido a possibilidade de ampliar as vendas no comércio no final do ano. “Desta maneira, os empresários possuem os produtos para efetivarem a venda”.

PERFIL – Com relação ao setor Agropecuário, os dados do Caged demonstram que o setor está com o saldo positivo de 31, ou seja, realizou 63 contratações e desligou 32 trabalhadores. Em novembro, o único setor que apresentou saldo negativo foi a Construção Civil, chegando a (-43). Foram 162 desligamentos contra 119 admissões.

O gerente salienta que as contratações são realizadas de maneiras diferentes. “Assim, o Agronegócio realiza contratos por temporada. Enquanto que no setor da Construção Civil, o serviço é ofertado por prestador de serviço. Ou seja, o profissional não é mais contratado via CLT na obra, e sim, por prestadores”.

Toledo é uma cidade atípica das demais e o profissional garante que mesmo em período de pandemia, os empregos são gerados. Toledo é um celeiro para o Mundo como para o Estado”.

Durante o período, Quadra recorda que a equipe enfrentou diversas dificuldades devido as restrições nos atendimentos ocasionadas pela pandemia. “Nós realizamos várias ações, como o Dia ‘D’ e repassamos orientações para as pessoas utilizarem as ferramentas on-line. Mesmo nos dias de restrições quando a Agência estava fechada, os colaboradores estiveram no local e repassaram as orientações. Enquanto estive na Agência, nós fizemos o que foi possível e lutamos para que o cidadão conseguisse conquistar o seu devido emprego”.

ANÁLISE – De maneira geral, a média anual na geração de empregos de Toledo está positiva, conforme o economista Jandir Ferrera de Lima ao ponderar que o pior baque no mercado de trabalho foi no primeiro semestre de 2020. “Comércio e Serviços foram afetados com a crise econômica, mas estão se recuperando e apresentam saldo positivo”, afirma ao citar que Serviços apresenta uma recuperação mais lenta. “Isso é reflexo do perfil da pandemia que não permite aglomerações e afeta o desempenho dos bares, restaurantes ou eventos”. Lima acredita que o setor de Serviços, aparentemente, vai precisar de algum suporte do Poder Público para aguentar a ‘pressão’ da pandemia.

Por sua vez, o setor Agropecuário sente o efeito da entressafra e a estiagem prolongada, que atrasou plantio, movimento de cargas e a produção leiteira e de pescado. “O aumento dos custos para os produtos fez com que alguns cortassem custos também na mão de obra. Lembrando que uma parte da contratação do Agronegócio também é sazonal influenciada pelas safras, tanto da agricultura quanto da pecuária”, menciona Lima.

Com relação a Indústria, o economista pondera que o segmento está bem dinamizado. “Isso é reflexo do perfil agroindustrial de Toledo, que produz e exporta proteína animal, a qual estimula a indústria de processamento de grãos”. Além disso, a Indústria do município também apresenta a expansão do Parque Fabril da Indústria Farmacêutica e a instalação de novas empresas no Biopark que fortaleceram o ciclo produtivo da cidade.

O economista esclarece que os riscos para 2021 são a quarentena prolongada e mais rígida, que poderá afetar mais ainda o setor de Serviços. “Há também o risco climático do fenômeno La Nina e o impacto da estiagem do segundo semestre de 2020 no calendário da agricultura”.

Da Redação

TOLEDO