Em Toledo, média móvel de novos casos é superior a 26%

A evolução e a situação epidemiológica da Covid-19, em Toledo, preocupa as autoridades locais. No final da tarde de quarta-feira (9), a secretária de Saúde e presidente do Comitê de Operações Emergenciais (COE) Denise Liell e o médico e porta-voz do Comitê Fernando Pedrotti realizaram uma live e apresentaram dados que explicam o crescimento da doença na cidade.

A equipe observa que existe uma tendência dos exames coletados de RT-PCR no Sistema Único de Saúde (SUS) ser positivo a cada semana. Pedrotti explica que a partir da segunda metade de novembro, a Secretaria registrou um aumento considerável. Em meados do dia 18 de novembro eram 65 novos casos. Outro pico aconteceu no dia 22 de novembro com 63 casos positivos. Na semana passada foram 396 casos novos. Desta maneira, a média móvel apresenta um aumento de mais de 26% nos últimos 14 dias. “Esses dados causam preocupações, pois cada pessoa diagnosticada pode contaminar mais de uma. Na média, cada pessoa com o diagnóstico positivo contaminou mais de duas pessoas. E essa é uma progressão ruim”.

Enquanto a média móvel de novos casos é de 26,14% em Toledo; no Paraná o acréscimo é de 0,2% até o dia 7 de dezembro e em relação a 14 dias atrás. “Contudo, o que chama a atenção é que a média móvel no Estado nunca cresceu tão rápido como nos últimos dias. Uma pessoa pode se contaminar, levar o vírus para dentro de casa e passar para os demais familiares. Infelizmente, existe um número expressivo de casos acontecendo em todo o Paraná”.

ANÁLISE – Na macrorregião Oeste de Saúde, composta por 95 municípios, o pico de novos casos foi registrado na semana passada, totalizando 5.945. Ao comparar com a anterior (22 a 28 de novembro), os dados subiram 7,7%.

O médico explica que esse dado pode não ser real, porque alguns exames ainda estão sendo analisados. “É fato que estamos passando pelo pior momento da pandemia até hoje enfrentado”.

O município de Toledo também apresentou um aumento na taxa de contaminação, passando de 1,05% para 1,25 a partir do dia 5 de dezembro. Esse dado, de acordo com o médico, deve ser analisado com cautela, porque ele demonstra a proliferação do vírus. “Ao realizar uma correlação com o Estado, a situação é praticamente igual”.

RECOMENDAÇÃO – Diante dessa situação epidemiológica da doença, Pedrotti solicita que cada cidadão faça a sua parte no combate ao coronavírus. “Infelizmente, nós temos situações que são desfavoráveis ao observar o comportamento das pessoas. Nós percebemos as pessoas não compreendendo que é preciso abrir mão de algo em nome da prevenção e da proteção. Viver a vida da mesma maneira já sabemos qual será o resultado”.

Ele complementa que “se a vida é feita de escolhas, que escolhamos a saúde e a prevenção. Fazendo tudo igual ao passado, o resultado não será bom. É preciso fazer o uso adequado e correto de máscara e evitar aglomerações”.

A secretária de Saúde complementa que Toledo segue uma situação epidemiológica vivida na região. “Nós avançamos para a bandeira roxa, porque estávamos muito bem em semanas anteriores. Quando a situação ficou complicada em outras cidades do Paraná, nós acompanhamos o cenário. Por isso, aglomeração não pode acontecer neste momento. Nós precisamos aprender a conviver com o vírus. Se eu me comportar bem, poderei desfrutar do convívio, de confraternização e de aproximação com outras pessoas. A Covid-19 deve ser discutida regionalmente e no Paraná”.

Da Redação