Ensino híbrido: professores estão em processo de capacitação

No período de 18 a 26 de fevereiro, os professores do Núcleo Regional de Educação de Toledo devem participar da capacitação para o atendimento aos alunos e retorno as atividades presenciais. As aulas remotas iniciam hoje (18), já o ensino híbrido tem previsão para começar no dia 1º de março.

“As aulas híbridas foram prorrogadas para o início de março, para que os professores possam passar por um treinamento”, relata o chefe do NRE de Toledo, José Carlos Guimarães, ao reforçar que estão sendo seguidas as datas do calendário escolar.

Esse treinamento para o sistema híbrido de ensino visa prepara os professores para lecionar nesse modelo, em que uma parte dos alunos assiste às aulas presencialmente, e a outra, de maneira remota. Ao longo do treinamento, os docentes são apresentados às diferentes formas de atendimento ao estudante.

As capacitações envolvem também treinamento em relação aos protocolos de biossegurança, que contemplam as medidas de prevenção contra a Covid-19, além de conhecer o sistema de registros das atividades desenvolvidas nas aulas e frequência dos alunos. Também serão realizadas oficinas voltadas ao uso dos equipamentos, ferramentas e dinâmica das aulas.

ENSINO HÍBRIDO – O modelo híbrido funcionará de duas maneiras. Uma delas será o formato síncrono, no qual um único professor dará a mesma aula tanto para os estudantes que estão em sala de aula quanto para os que estão em casa, com transmissão pelo Google Meet por meio de um notebook. Esse modelo deve começar em cerca de 850 colégios e aumentará gradualmente conforme são instalados pontos de internet rápida em mais salas de aula.

Já os demais 1,3 mil colégios vão iniciar o modelo híbrido junto com o Aula Paraná. Ou seja, o estudante vai à escola presencialmente em uma semana e na outra acompanha o conteúdo de casa, pelos canais de ensino online (TV, YouTube, aplicativos), realizando atividades enviadas pelos professores.

EXPECTATIVA PARA O MODELO HÍBRIDO – “Estou muito animado e criando esperança de voltar como era antes. Eu passei o ano inteiro em casa e respondendo questões online não era o que queria, mas era o que era possível no momento”, relata o estudante, Lucas Bota, 14 anos. Neste ano, ele irá cursar o 1º ano do Ensino Médio.

O estudante comenta que o ensino remoto não é tão dinâmico quanto o presencial e ele sentiu queda em seu rendimento educacional. “Nunca gostei de cursos e estudos de maneira virtual. Isso interferiu no meu aprendizado. Espero que o modelo hídrico seja melhor e eu consiga aprender mais”.

AUMENTO DA DEMANDA – O NRE de Toledo inicia o ano letivo com uma elevada migração de alunos do ensino particular. “Somando todos os municípios da área de abrangência do NRE tivemos em torno de mil novos alunos matriculados. Não temos as justificativas para isso com exatidão, mas acreditamos que são famílias que se mudaram para nossa região, alunos que saíram das escolas particulares e se matricularam nas públicas”, comenta o chefe do NRE de Toledo, José Carlos Guimarães.

Da Redação*

TOLEDO

*Com informações da Agência de Notícias do Paraná