Estado investe em melhorias em colégios de Toledo; cívico-militares passarão por reformas

Após a transição para o sistema cívico-militar, os colégios estaduais Novo Horizonte, Jardim Maracanã e Antonio José Reis receberão obras de reforma; o anúncio foi realizado pelo secretário de Estado da Administração e da Previdência Marcel Micheletto em uma visita a Toledo.

Na ocasião, ele também citou trabalhos no Colégio Estadual Esperança F. Covati, a retomada da construção da unidade do Jardim Gisela e o início das obras de uma nova unidade no bairro Pinheirinho. “Somados estima-se o valor de R$ 12 milhões, sendo R$ 8 milhões na unidade nova”, comenta o chefe do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Toledo José Carlos Guimarães.

Ele explica que nos colégios cívico-militar as obras serão realizadas em toda a estrutura. “São reformas, de modo geral, envolvendo a parte elétrica, cobertura, adequação de espaços, entre outros trabalhos. As reformas já estão licitadas e devem acontecer durante o ano de 2021”.

Os três colégios retornaram com as aulas presenciais, adotando o modelo híbrido de ensino, no dia 10 de maio. Mesmo assim, Guimarães acredita que será possível continuar a rotina de atividades das aulas nesses colégios.

Porém, essa não é a mesma realidade do Colégio Estadual Esperança F. Covati. O JORNAL DO OESTE visitou o local no dia 6 de maio e conferiu a situação do local com parte da estrutura interditada por risco de desabamento.

O chefe do NRE explica que o Estado liberou uma cota extra para contratar uma empresa que tenha um engenheiro para realizar a perícia e emitir o laudo do bloco interditado. “Estamos aguardando orçamento. É necessário que no mínimo três empresas encaminhe os orçamentos para enviarmos ao Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar). Já foi feito o contato com as empresas”.

CONSTRUÇÃO – Em relação ao Colégio Estadual do Jardim Gisela, a empresa contratada para a construção da nova unidade concluiu cerca de 75% da obra. Como a empresa abandonou os trabalhos, foi preciso atualizar as planilhas para uma nova licitação. Já o contrato com a antiga empresa foi encerrado e ela terá que justificar judicialmente o motivo do abandono dos serviços.

“A retomada da obra no Colégio Estadual Jardim Gisela deve acontecer ainda neste ano e a expectativa é que para o ano que vem os alunos estejam na unidade nova, complementa Guimarães. Atualmente, os alunos compartilham o mesmo espaço com Escola Municipal Norma Demeneck Belotto. O novo colégio é uma reinvindicação e um sonho antigo da comunidade local.

Outra unidade nova prevista no município de Toledo será no bairro Pinheirinho, com um orçamento estimado em R$ 8 milhões. O chefe do NRE José Carlos Guimarães explica que os projetos desta estrutura estão em fase final e logo serão encaminhados para a licitação. Além dessa unidade, outras implantações estão em estudo.

“Em Palotina estamos iniciando os projetos de uma unidade nova do Colégio Francisco Zardo e estamos em estudos em Toledo para ver a necessidade de outras unidades novas, tendo em vista o crescimento populacional do município”, salienta ao complementar que o bairro Santa Clara IV está dentro dessa análise.

Outra obra que precisa ser concluída é a reforma da nova sede do Núcleo Regional de Educação (NRE) de Toledo. Os serviços no antigo Colégio Olivo Beal começaram em janeiro de 2019 e paralisaram em meados de agosto do mesmo ano. Os motivos para a suspensão da obra são diversos, desde a nomeação de um fiscal, aditivos e adequações no projeto. “Essa obra ainda está em análise pelo Fundepar. Os trabalhos iniciaram, mas como tinha muitos problemas no projeto não deu seguimento”, conclui Guimarães.

Da Redação

TOLEDO