Frio combina com sopa: comercialização de agnolinis contribui na renda familiar

0 36

As baixas temperaturas fomenta o mercado das massas, especialmente, as artesanais. Para quem gosta, ter no cardápio a sopa é algo comum, mas o frio combina ainda mais com esse prato. A sopa parece fica suculenta no inverno. A época é propícia para quem coloca a ‘mão na massa’ e aproveita o momento para ter uma renda extra com o preparo de agnolini.

A sopa preparada com essa massa deixa o jantar mais apetitoso e pode carregar diversas lembranças para aqueles que consomem o prato desde criança. “Minha família sempre gostou muito de sopa. A nona era quem preparava a massa e esse aprendizado foi passando de geração para geração”, conta a empreendedora, Anna Regazotti. “Ela ensinou minha mãe que depois repassou esses ensinamentos para mim”.

Anna conta que a receita base é muito similar de outras pessoas, mas cada etapa possui ingredientes ‘secretos’ que fazem com que cada agnolini seja diferente, seja especial. Ela relata que a espessura da massa, a escolha do recheio e as combinações dos temperos interferem no resultado final da massa.

FONTE DE RENDA EXTRA – “Faço agnolini o ano inteiro para comercialização e consumo próprio, mas no outono e no inverno as vendas duplicam. Basta baixar um pouco as temperaturas que as pessoas já procuram pratos mais quentes e as massas caseiras integram essa procura. Nestes seis meses de frio foco o trabalho, principalmente, nessa função: produzir agnolinis para venda”, conta ao pontuar que trabalha o ano todo com atividades ligadas as gastronomia.

A venda de massas artesanais também é algo que passou de geração para geração. Anna relata que sua nona vendia na cidade em que morava, depois a mãe e, agora, ela continua esse legado. A empreendedora cita que é gratificante continuar com a receita da família e, além de manter essa tradição, consegue auxiliar na renda familiar com a receita de seu antepassado.

ESPECIALIDADES – “A renda é uma excelente consequência, pois faço tudo isso com amor e carinho. Quando vou para cozinha é como se me desligasse do mundo e esquecesse dos problemas. É uma terapia preparar a massa, cozinhar o recheio e fazer cada agnolini. Além disso, é uma forma de levar bem-estar para cada um que compra a massa, afinal, a refeição é um momento sagrado, de união, de saborear um dos prazeres da vida”, conclui.

Da Redação

TOLEDO

Deixe um comentário