Justiça determina continuidade no pleito eleitoral do SerToledo

Visando garantir uma prestação jurisdicional mais célere e de incentivo ao uso da conciliação ou mediação ao longo de todo o trâmite processual, o juiz Eugênio Giongo promoveu um audiência para buscar uma conciliação entre as partes e dar continuidade ao processo eleitoral do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Toledo (SerToledo). A audiência aconteceu na última sexta-feira (16) e foi bem sucedida.

O mandato da atual direção do Sindicato encerrou no dia 30 de abril deste ano, ou seja, há mais de dois meses, mantida na diretoria do Sindicato no cargo por deliberação judicial. Além disso, a posse da nova gestão deveria ocorrer em 1º de maio.

No entanto, conforme observa o juiz, durante as eleições, desentendimentos entre os filiados, dirigentes e candidatos e amplamente divulgados nas redes sociais e aplicativo do WhatsApp foram registrados.

Outro fator pontuado por Giongo é o fato da atual diretoria do Sindicato, mesmo após a decisão judicial suspendendo a realização da Assembleia designada no dia 29 de junho (convocada) para recompor o Conselho Deliberativo do Sindicato, sobre a qual foi devidamente intimada, “prosseguiu com a sua realização em total desrespeito com o Poder Judiciário”.

Durante o processo, o juiz também observou dificuldades enfrentadas pelas partes em promover de forma democrática e legítima os atos necessários para formação da comissão eleitoral para coordenar o processo neste ano. Também existia o pedido de intervenção judicial no Sindicato com o afastamento da atual diretoria e nomeação de interventor judicial. Por essas questões, Eugênio Giongo promoveu audiência.

ENCAMINHAMENTOS – A proposta de conciliação foi bem sucedida, pois os participantes da audiência concordaram que as três chapas que concorrem à eleição estão devidamente formalizadas e homologadas na forma do Estatuto do SerToledo. Eles também concordaram com o retorno de João Carlos Padilha e Zelário Bremm à Comissão Eleitoral tendo em vista a alegada nulidade da assembleia que os excluiu.

De acordo com Padilha, o juiz determinou que a Assembleia promovida pelo Sindicato e que os excluíram da Comissão é considerada nula. “O juiz nos reencaminhou aos nossos cargos. Uma boa notícia, porque demonstra que sempre buscamos atuar de maneira correta. No período, nós fomos acusados de muitas inverdades”.

Padilha recorda que foram suspeitos de furtar documentos do Sindicato. “Na época, solicitei a retirada dos documentos, porque precisava do auxílio do Zelário para realizar os encaminhamentos das eleições”, destaca o profissional ao lembrar que “naqueles dias, estava viajando muito pela região devido problemas de saúde com familiares. E, para não interferir ou atrasar os trabalhos do pleito tive aquela decisão. Sempre procurei agir de maneira correta”.

DECISÕES – Durante a audiência, outra decisão firmada é que Marlene Silva continuará como secretária geral e despachará as documentações. “Desta maneira, as duas ações foram encerradas pelo juiz. O que acontecerá nos próximos dias será uma nova história”, destaca Padilha.

Ele comenta que já promoveu as eleições do Sindicato dos Metalúrgicos e está em fase de organização do pleito do Sindicato dos Bancários, o qual deve ocorrer no mês de outubro. “No SerToledo, o nosso desejo é que esse processo eleitoral seja finalizado o mais breve e de forma satisfatória. Que o clima se mantenha tranquilo até as eleições”.

Segundo a secretária geral do SerToledo Marlene da Silva, a conciliação era necessária para que o pleito ocorresse. “Caso contrário, haveria uma grande possibilidade que a eleição ficasse mais de ano sem acontecer. Isso é ruim, pois o servidor/a tem o direito de escolher a diretoria que ficará à frente da entidade por mais três anos”, comentou Marlene em texto publicado no site da entidade na última sexta-feira (16).

Da Redação

TOLEDO