Leitos de UTI Covid-19 serão desabilitados no Hospital Bom Jesus a partir do dia 1º

Os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para tratamento de pacientes com Covid-19 serão desativados na Associação Beneficente de Saúde do Oeste do Paraná (Hoesp), mantenedora Hospital Bom Jesus a partir de 1º de dezembro. O ofício nº 457/2021, da última segunda-feira (22), assinado pelo diretor de Gestão de Saúde, Vinicíus Augusto Filipak, informa que 24 leitos serão desativados. No entanto, autoridades locais informaram, no final da tarde de ontem (23), que o documento foi cancelado e o Hospital permaneceria com oito leitos.

Até a última segunda-feira, cinco pacientes estavam internados na UTI Covid-19 no Hospital Bom Jesus, em Toledo. No Estado, foram fechados 500 leitos de UTI exclusivos para o atendimento de pacientes com Covid-19 ao longo de 60 dias. No ofício, Filipak justifica a desativação “diante da baixa taxa de ocupação média dos leitos exclusivos Covid na Macro Região Oeste para leitos de UTI adulto e para leitos de retaguarda clínica adulto”.

Além disso, o ofício considera o descrito na deliberação CIB nº 143 de 3 de setembro de 2020 aprova os critérios para ativação dos leitos exclusivos para atendimento de usuários do Sistema único de Saúde (SUS) com quadro clínico compatível com infecção pelo novo coronavírus.

O diretor de gestão de Saúde ainda agradeceu o empenho e dedicação aos atendimentos realizados com toda excelência, no período contratualizado aos pacientes usuários do SUS acometidos pelo novo coronavírus.

OFÍCIO CANCELADO – A reportagem do JORNAL DO OESTE entrou em contato com o diretor da 20ª Regional de Saúde, Alberi Locatelli e ele disse que encontrava-se em compromisso fora do município e, até então, não teve acesso ao documento. “Eu preciso analisá-lo para me posicionar”.

Contudo Locatelli, adiantou que os pacientes internados no Bom Jesus não ficarão desassistidos. Além disso, ele informou que oito leitos de UTI para atendimento exclusivo à Covid-19 serão mantidos e que era preciso desconsiderar o ofício citado.

Essa informação também foi confirmada pela superintendente da Hoesp, Zulnei Boldrin. Ela, que estava retornando de Curitiba ontem, disse que foi comunicada que oito leitos serão mantidos e o ofício havia sido cancelado.

DIÁLOGO – Na semana passada, o secretário de Estado de Saúde, Beto Preto, esteve em Toledo e foi questionado sobre esse assunto. Naquela oportunidade, ele disse que o Estado trabalhava para diminuir os leitos de UTI Covid-19 e abrir outros serviços, como realizar cirurgias eletivas. “Na pandemia, abrimos muitos leitos de UTI para o atendimento exclusivo dos pacientes com Covid-19; em uma pós-pandemia, o Ministério da Saúde se comprometeu em nos auxiliar no custeio destes leitos, mas ainda não sinalizou. Não temos dinheiro para manter tudo”.

Beto Preto ainda disse que os leitos abertos serão divididos regionalmente. “Os leitos de UTI Covid-19 são fechados, mas os hospitais ficam na retaguarda ou no sobreaviso. Se for necessário serão reabertos a qualquer tempo. Atualmente, o gasto mensal do Estado é de quase R$ 60 milhões. Nós precisamos do reforço de outros orçamentos e Secretarias. Neste momento é necessário fazer essa conta, remanejar e insistir nas cirurgias eletivas. Nós não devemos perder o canal do diálogo. Ele deve ser permanente com todas as instâncias e priorizamos a regionalização da saúde”.

FLUXOS – A secretária Municipal de Saúde, Gabriela Kucharski, explicou que a desativação dos leitos de UTI Covid-19 é uma prerrogativa unicamente do Estado e conforme informado previamente pelo Estado/Sesa, faz parte de um planejamento de desativação de tais leitos Covid, sendo já realizado nas demais regionais de Saúde.

Com relação ao Pronto Atendimento Municipal (PAM) – Mini-hospital, a Gabriela afirmou que a Secretaria deve manter os fluxos. “Mantemos a preocupação que não falte leitos para nossos pacientes; entendemos que com o avançar da vacinação e com a redução do número de casos já observadas devemos seguir com estabilidade e redução dos números”.

Da Redação

TOLEDO