LIRAa: importante aliado no combate ao Aedes aegypti

Embora a pandemia do novo coronavírus seja o cenário que mais preocupa a população, neste momento, ele não é o único que deve chamar a atenção. Cada vez mais casos de dengue são confirmados.

Na 20ª Regional de Saúde (RS) de Toledo, o último período sazonal 2019/2020 de monitoramento da dengue foi considerado o pior nos últimos anos. Ao todo foram 17.892 casos e 16 óbitos registrados da semana 31/2019 à 27/2020. Dados do Departamento de Endemias de Toledo apontam que no último período sazonal (julho 2019/julho 2020), o município teve 5.265 notificações, sendo 68 casos importados, 4.801 autóctones e 396 descartados

A Secretaria de Estado da Saúde fechou o ciclo de 12 meses com 227.724 casos e 177 mortes confirmadas. Em relação ao período anterior entre 2018/2019, o aumento no número de casos confirmados foi de mais de 100%, quando o total de casos confirmados foi de 21.017.

Diante da situação registrada tanto no Estado, na Regional como no Município, Toledo iniciou, na última segunda-feira (4), o Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa). No último período sazonal, o LIRAa foi suspenso em março por conta da pandemia da Covid-19. Entretanto, a equipe de Endemias continuou a campo com o trabalho de vistoria e orientação para a população.

A coordenadora do Setor de Endemias em Toledo Lilian Konig explica que as altas temperaturas ocasionadas pelo clima predominante no verão tornam a proliferação do mosquito preocupante. “É justamente neste período de calor intenso e de chuvas isoladas que os vetores se desenvolvem, podendo ocasionar um surto da doença”.

Lilian salienta que para evitar essa situação, o trabalho entre o Poder Público e a sociedade é fundamental já que a maior concentração de focos do mosquito acontece nas residências. “Dessa forma, as ações de combate realizadas no município se tornam eficazes. Contudo, elas precisam estar em sintonia com as responsabilidades da população em manter os cuidados dentro de suas casas”.

LEVANTAMENTO – A equipe do Setor de Endemias iniciou as atividades do LIRAa na segunda e elas podem ter continuidade nesta terça-feira (5), desde que a condição climática colabore. Em caso de chuva, o trabalho é transferido para um novo dia.

De acordo com Lilian, os Agentes de Combate a Endemias (ACEs) visitaram imóveis localizados nos bairros Europa, Jardim América, Boa Esperança, Maracanã, Paulista, Santa Clara IV, Santa Clara III, Pinheirinho, Jardim da Mata e Pioneira no primeiro dia.

Nesta terça-feira, os trabalhos devem seguir nos bairros: Tancredo, Centro, Operária, São Pelegrino, Concórdia, Independência, Centro de Eventos, Porto Alegre, Panambi, Gisela e Pasqualli. “Se não tivermos registros de chuvas, acredito que as visitas nos imóveis sejam finalizadas em três dias”, afirma Lilian.

No primeiro LIRAa deste ano, a equipe vai visitar dois mil imóveis. De acordo com a coordenadora, os agentes estão encontrando muitos focos em pratos de plantas, em bebedouros de animais, em plásticos, entre outros locais. “Com esse calor é perigoso água parada, pois o clima está propício para o desenvolvimento das larvas”, enfatiza.

CONSCIENTIZAÇÃO – A partir deste ano, Lilian – que assumiu os trabalhos na coordenação ontem – pretende elaborar projetos para conscientizar a população quanto aos cuidados para evitar a dengue. “Nós pretendemos fazer diversas atividades com a sociedade”.

Outra dificuldade pontuada pela coordenadora é a pandemia. “Solicito que o morador tenha um novo olhar em relação ao agente. Algumas pessoas comentam que o agente está invadindo a casa ou a privacidade. Pelo contrário, o agente trabalha com a prevenção e a orientação para evitar a dengue. Ele é um profissional apto a fiscalizar e orientar a população, pois pertence a uma classe que trabalha com Saúde”, pontua Lilian ao complementar que os cuidados para evitar aglomerações também são seguidos pelas equipes.

O diretor da 20ª Regional de Saúde Alberi Locatelli acrescenta que a Saúde deve intensificar o trabalho para a população evitar criadouros do mosquito. “Por isso, a importância de cada cidadão manter o seu quintal limpo e descartar todos os espaços que possam armazenar água”.

Até o momento, Toledo possui 150 notificações de dengue; 27 pessoas aguardavam resultado de exame laboratorial e três casos autóctones já foram confirmados.

Da Redação / TOLEDO