Mercado aposta em uma Páscoa mais doce

Chocolate. O doce com origem na Mesoamérica antiga, o atual México, já foi chamado de bebida dos deuses, presente adocicado e, atualmente, também é conhecido como oportunidade de trabalho. Ele está presente em todas as datas comemorativas do ano, mas é na Páscoa que se torna protagonista.

Nesta época do ano, os ovos de chocolate começam a tomar conta das prateleiras dos supermercados e das lojas especializadas. Com diversos tamanhos e recheios eles agradam adultos e crianças. Semelhante ao que ocorreu no ano passado, a Páscoa de 2021 também será em um cenário de pandemia, sem festas e aglomerações.

Mesmo assim, o mercado do chocolate espera um faturamento melhor do que foi em 2020. Em uma tradicional fábrica de chocolate em Toledo, o diretor comercial Marcos Vinícius Gowda comenta que a empresa está com boas expectativas para esta Páscoa.

“O ano de 2020 foi extremamente difícil para todos e nós fomos impactados no melhor momento comercial. Com isso, tivemos que reorganizar o nosso trabalho. Sentimos que o mercado de doces em geral ainda está um pouco receoso, mas acreditamos que daqui para frente o cenário vai mudar e a páscoa será melhor”.

AVANÇO – Mesmo com as dificuldades da pandemia, ele conta que a empresa não abriu mão de manter o ritmo da produção e contratação de mão de obra. Os produtos específicos de Páscoa, como ovos e coelhos de chocolate, começaram a ser produzidos em novembro do ano passado sem redução de quantidade.

Para atender a demanda, a fábrica também contratou mais trabalhadores durante o período, aproximadamente o triplo do que já tem no parque industrial. Além disso, Gowda enfatiza que a fábrica aposta em novidades para alavancar as vendas na Páscoa deste ano.

“Montamos uma estratégia para trabalhar com grandes redes atacadistas e apesar de 2020 ter sido desafiador, nós estamos avançando. Estamos com embalagens novas e lançamos três linhas de produtos. Temos programado o lançamento de outros produtos para a linha de confeitaria, que é um segmento que não parou nesta pandemia”, esclarece.

OPORTUNIDADE – Além da confeitaria tradicional, as pequenas produções em casa também cresceram durante a pandemia. As barras de quilo ou chocolates em gotas, que fazem parte da linha de transformação, são os produtos mais procurados nas distribuidoras de doces.

Em um estabelecimento, a analista financeira da distribuidora, Camila Paludo Polachini, pontua que estes produtos são os preferidos entre os autônomos e trabalhadores que já têm um emprego fixo e buscam no chocolate uma renda extra para ajudar nas despesas da família com produção de bolos, pães de mel, brigadeiros e ovos artesanais.

“A partir deste momento, que inicia o período da Páscoa, vai intensificar o movimento e a procura por estes produtos. As pessoas estão em busca de uma renda extra e o chocolate é uma boa oportunidade”, afirma.

Além do chocolate, outros itens fazem parte das compras para a Páscoa, como embalagens de papel, plástico ou isopor. E estes foram os mais afetados pela pandemia, por não ter matéria-prima 100% nacional. “Estes produtos estão demorando muito para chegar. Então, quem pretende ganhar uma dinheiro extra nesta Páscoa é bom se programar e fazer as compras antecipadamente”, conclui.

Da Redação

TOLEDO