Novo reitor destaca desafios e projetos para a UTFPR

O novo reitor na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Dr. Marcos Flavio De Oliveira Schiefler Filho visitou o câmpus Toledo na última segunda-feira (23). Na ocasião, ele participou da solenidade de abertura do X Seminário de Extensão e Inovação (SEI) e o XXV Seminário e Iniciação Científica e Tecnológica (Sicite). Transmitido pelo canal oficial da Universidade, o evento tem como tema “Ressignificando o papel da pesquisa, extensão e inovação universitária em tempos de Pandemia”.

Schiefler Filho obteve 51,14% dos votos válidos em uma votação inédita através do sistema remoto com o uso do software Helios Voting. Ele assume o cargo no mandato de 2020/2024 e conta que a nova proposta de gestão será de moldagem sem romper com o trabalho que já acontece na Universidade. “Existem muitas práticas e ações consolidadas e consagradas, e que estão inseridas nas comunidades que queremos manter e melhorar. Mas existem outras ações e, por isso, propusemos uma candidatura”.

Com graduação, mestrado e doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com períodos na Universidade das Forças Armadas Federais em Hamburgo (Alemanha), Schiefler Filho também é pesquisador credenciado do Programa de Pós-graduação em Engenharia Biomédica. Na gestão acadêmica, foi diretor-geral do câmpus Curitiba (2008-2013), e gerente de Ensino e Pesquisa do câmpus Curitiba da UTFPR (2004 a 2008).

DESAFIOS – Atualmente, a expectativa é moldar a gestão da Universidade. “Obviamente que o desafio é enorme, porque nós estamos em uma época de pandemia e os nossos recursos, como instituição federal, vem do número de estudantes matriculados. E um dos grandes desafios é manter os estudantes com o sentimento de pertencimento”, cita.

O reitor explica que todos os alunos se afeiçoam ao local onde estudam e, por conta da pandemia e a suspensão das atividades presenciais há oito meses, a preocupação do gestor é com os alunos.

“Temos um corpo discente formado por aproximadamente 60% de outros municípios. Isso quer dizer que eles não estão aqui próximo a Universidade e nós queremos que esses estudantes tenham o sentimento de que fazem parte dela e que há uma comunidade esperando por eles”, enfatiza.

Schiefler Filho também acredita que enfrentará outro desafio na nova gestão: o aumento da evasão. Ele cita que a Universidade registra, historicamente, nos últimos seis semestres que algumas vagas não são ocupadas. No entanto, ainda não se sabe o impacto da pandemia. “Em média no Brasil, 71% das vagas em instituições públicas são ocupadas por estudantes de escolas públicas. Há mais vagas do que estudantes e existem vários fatores como a segurança, o custo de manutenção do estudante e até uma redução no número de alunos vindo do Ensino Médio”, pontua o gestor.

ENSINO REMOTO – Schiefler Filho comenta que a UTFPR é uma instituição essencialmente de atividades presenciais. Por mais que seja tecnológica, a quantidade de atividades em Educação a Distância e ensino remoto na Universidade era muito pequeno antes da pandemia. Com a implantação das atividades didáticas não presenciais, ele salienta que em alguns câmpus há 60% de docentes que estão com atividades não presenciais. Ele complementa que a modalidade ao ser criada, o Conselho da Instituição aprovou como uma atividade não obrigatória para o professor.

“Para o próximo ano, estamos preparando um calendário para desenvolver atividades remotas até o final de 2021. Pretendemos como planejamento adentrar 2022, já em ‘2022’, porque há um atraso na questão dos cursos e formaturas, mas estamos trabalhando para normalizar”, esclarece.

PANDEMIA – Outro desafio apontado pelo novo reitor é como conviver com a pandemia em salas de aulas, ambientes e laboratórios que exigem mais pessoas ao mesmo tempo. Schiefler Filho explica que para dar andamento as atividades com segurança, a UTFPR conta com um Comitê de Contingência composto por comissões de biossegurança nos campus além de uma comissão sanitária.

“Os campus também estão adquirindo máscaras, estão reforçando a produção de álcool em gel, a sinalização de distanciamento, adquirindo termômetros para medição de temperatura, entre outros equipamentos recomendados pela Vigilância Sanitária e a Organização Mundial da Saúde (OMS)”, afirma o reitor ao enfatizar que o Conselho Universitário faz o acompanhamento e a emissão mensal de uma instrução normativa para orientar as atividades.

“A pandemia nos ensinou alguns caminhos como redução de custos com viagens para os campus que agora serão redirecionados para atividades nas Universidade, conviver com menos recurso e nós vamos fazer uma gestão de aproveitamento de todas as ações positivas e vamos inverter a lógica da antiga gestão que centralizava e linearizava as ações, porque o protocolo é diferente em cada local. Nós vamos implantar o sistema híbrido, o que for possível acontecer no modelo remoto, será feito. Além disso, vamos priorizar estudantes formandos e atividades em laboratórios que são essenciais, mas diminuiremos os encontros presenciais”, conclui o reitor Schiefler Filho.

Reunião com diretoria marca o início da nova gestão

O câmpus Toledo da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) é um dos mais novos da instituição. Implantado em 2007, o câmpus tem dez cursos, sendo sete graduações e três mestrados. Em visita ao local, o novo reitor da Universidade Dr. Marcos Flavio De Oliveira Schiefler Filho destaca que há algumas ações previstas para a Universidade.

“Estamos aqui para ouvir a direção e conhecer as demandas. Já tivemos a oportunidade de conversar com a equipe do câmpus Toledo virtualmente sobre a participação da UTFPR no Biopark”, cita.

O novo reitor salienta que o grande desafio local é como conseguir aportar recursos para o Biopark. O gestor também comenta sobre a falta de espaço no câmpus para novos edifícios, novos laboratórios e salas de aula. “Tem um outro terreno que está em negociação com o Poder Público que permitirá que em Toledo possamos ter uma área maior de construções para o desenvolvimento de pesquisas, cursos e projetos de extensão universitária”.

Schiefler Filho comenta que a captação de estudantes também está dentro de um plano de ação para o câmpus de Toledo. Com isso, a ideia é investir em marketing digital. Outro projeto que irá envolver o câmpus de Toledo e os demais, é de nacionalizar a Universidade. “Nós temos dificuldades em participar de ações e consórcios por sermos pouco conhecidas. Não queremos competir com outras universidades federais, mas queremos identificar a nossa como a única tecnológica com viés diferente e focada em pesquisa aplicada, em prestação de serviço para a comunidade, em extensão bem consolidada dentro das necessidades da comunidade”, complementa.

Com a pandemia, o novo reitor salienta que foram desenvolvidas mais de 100 ações, inclusive no câmpus de Toledo que surgiram naturalmente por conta dos servidores. Durante o período, foram inúmeras parcerias com empresas e órgãos públicos com a produção de máscaras e álcool em gel, além de outros projetos. “Isso fez com que a Universidade mostrasse muito o seu valor como uma instituição inserida na sociedade. Eu sempre acreditei que diante de uma dificuldade devemos enxergar oportunidades e estamos colocando-as na prática”. Existem alguns projetos de implantação de novo cursos na Universidade, como o curso de Agronomia em Francisco Beltrão; há uma projeção de Engenharia de Produção para Curitiba; e para Toledo o novo reitor destaca que existe a prospecção de implantar os cursos de Arquitetura e Urbanismo e Engenharia Mecânica.

Sicite e SEI seguem com atividades até a próxima sexta-feira

As atividades do XXV Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica (Sicite) e o do X Seminário de Extensão e Inovação (SEI) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) iniciaram na segunda-feira (23). A cerimônia de abertura foi realizada no período noturno. O professor Dr. Zaki Akel Sobrinho foi o responsável por ministrar a palestra magna, com o tema “Ressignificando o papel da pesquisa, extensão e inovação universitária em tempos de pandemia”. A programação segue até esta sexta-feira (27).

Neste ano, o evento é organizado pela UTFPR – Câmpus Toledo e será totalmente on-line. De acordo com o diretor geral do Câmpus Rodolfo Eduardo Vertuan, o evento reúne participantes dos 13 Câmpus que apresentam os trabalhos desenvolvidos na Universidade para os públicos interno e externo. “O objetivo é promover a interação e dar mais visibilidade aos resultados alcançados nas atividades acadêmicas. “São estudantes que desenvolvem trabalhos de extensão ou inovação”, revela o diretor.

Ao todo serão realizadas 28 palestras e 1.280 trabalhos devem ser apresentados durante a semana. “Os estudantes encaminharam os vídeos abordando os seus temas. São 13 sessões de trabalhos e cada um com 16 trabalhos. A estimativa é que mais de duas mil pessoas participem do evento”.

MAIS CONHECIMENTO – Para a semana, também estão programadas palestras, mini-cursos e visitas técnicas virtuais. “Os eventos são anuais e eles são considerados importantes para a Universidade. Neste ano, Toledo sedia a programação e nós decidimos organizá-lo de maneira virtual”, destaca o diretor geral. Ele salienta que os Seminários visam divulgar as pesquisas dos estudantes nas mais diversas áreas. “É a primeira vez que o evento ocorre no formato digital, devido ao cenário atual de pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19)”.

Os seminários são organizados anualmente pela UTFPR, com o apoio das Pró-Reitorias de Relações Empresariais e Comunitárias (Prorec) e de Pesquisa e Pós-graduação (PROPPG). Na edição anterior, foram apresentados 1.260 projetos, com 368 apresentações orais e 892 pôsteres digitais.