Pedreira municipal quebra recorde histórico de produção de brita

O balanço da Pedreira Municipal registrou um recorde de produção de pedra britada em janeiro. Enquanto a média/mês em 2020 foi de 5,2 mil metros cúbicos, o primeiro mês de 2021 ultrapassou os 13 mil m³. O local é gerenciado pela Empresa de Desenvolvimento Urbano e Rural de Toledo (Emdur). 

A ampliação da oferta do material por meio de produção própria se reverte em mais benefícios para a comunidade. De acordo com o superintendente da Emdur, Ascânio Butzge, eventualmente o governo municipal necessita adquirir pedras britadas. “Se continuarmos mantendo a produção nesse patamar, com pequenas variações, poderemos atingir ser autossuficientes”. Butzge acrescentou que as ‘britas’ produzidas pela Emdur atendem as readequações e manutenção de estradas, a usina de asfalto municipal e as propriedades rurais e empresas que se enquadrem em protocolos previstos em lei para o recebimento do insumo.

O momento histórico motivou uma visita do prefeito Beto Lunitti a estrutura do britador. Segundo o gestor municipal, a ampliação da oferta de pedras britadas, por mais que pareça algo irrelevante, é importante para o desenvolvimento econômico e outros aspectos. “As estradas rurais recebem hoje o solo brita e essa melhoria auxilia na chegada de insumos e retirada da produção. Também gera conforto para quem trafega e pode ser o diferencial até mesmo numa situação de urgência, em casos de atendimento médico”, frisou.

Compra de pedra brita

A Prefeitura de Toledo possui um registro de preços para compra do material, caso haja necessidade, podendo chegar a 56,8 mil m³ (80 mil toneladas). O valor máximo possível de aplicação é R$ 1,92 milhão. “É um valor alto para os cofres públicos e com o aumento da produção podemos diminuir esse custo”, comentou o diretor financeiro da Emdur, Antônio Lange. Até o mês de outubro, a Secretaria de Infraestrutura Rural investiu R$ 573 mil na aquisição deste tipo de insumo.

Da Prefeitura de Toledo-PR