Planejamento Regional Integrado elabora novas políticas públicas de saúde

Fortalecer e reorganizar a Rede de Atenção à Saúde através de um plano de ação regional e macrorregional. Esse é o objetivo do Planejamento Regional Integrado (PRI) realizado em Foz do Iguaçu na segunda-feira (25) e na terça-feira (26) com as equipes de Saúde da Macrorregião Oeste. A proposta acontece em todo o Estado com a finalidade da Região alinhar, analisar e identificar as necessidades da área da Saúde e elaborar ações pontuais com os municípios.

Nesta etapa participaram representantes da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), diretores da 7ª, 9ª, 10ª e 20ª Regionais de Saúde (RS), representantes da Macrorregião Oeste, secretários de Saúde, integrantes do Conselho Estadual de Saúde e do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde.

Esse encontro é a continuidade de um trabalho que começou em 2019. “Iniciamos este debate em 2019 e agora, com o diagnóstico pronto, podemos formalizar as seis diretrizes e eixos para finalizarmos estes documentos que nortearão as ações e os investimentos em Saúde no Paraná, reforçando a orientação do governador Ratinho Junior de regionalização e levar o serviço até as pessoas”, cita o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

PRIORIDADES – O trabalho é coordenado pelo Grupo Condutor Estadual, formado por representantes da Sesa e Conselho de Secretarias Municipais da Saúde do Paraná (Cosems/PR), em articulação com os municípios e participação da União, a partir da configuração das regiões de saúde definidas na Comissão Intergestores Bipartite (CIB).

O diretor da 20ª RS Alberi Locatelli comenta que essa ação é uma forma diferente de planejar a política de saúde no Paraná. “Nesse encontro tivemos discussões sobre a realidade dos municípios. Foram elencadas as prioridades desde a Atenção Básica, os serviços de média e alta complexidade”.

Locatelli lembra que em 2019 foram apresentadas algumas prioridades como o Hospital Regional, as Microrregiões de Saúde e ampliação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para auxiliar no atendimento na Macrorregional Oeste. Algumas das ações já estão em funcionamento.

“Já tivemos um avanço nas prioridades elencadas naquele momento. O Hospital em Assis Chateaubriand é referência no atendimento, assim como os hospitais em Palotina e Guaíra que auxiliam o Sistema de Saúde. O fortalecimento das Microrregiões é de extrema necessidade para desafogar o hospital de referência em alta complexidade, que é o Hospital Bom Jesus/Hoesp”, conta Locatelli.

EIXOS – Nesta etapa, o diretor da 20ª RS cita que outros temas serão incluídos, como o eixo Covid. “Nós temos que trabalhar o pós-Covid porque a doença deixou muitas sequelas, desde a saúde mental, como física em relação a saúde respiratória, por isso temos que trabalhar fortemente esse eixo, principalmente nas unidades de saúde”, complementa.

Após essa discussão, Alberi cita que o próximo passo será reunir com os municípios da 20ª Regional de Saúde, avaliar os trabalhos que já estão em andamento e priorizar outras ações que são necessárias. Todas as prioridades apontadas serão relatadas em um documento e apresentadas ao Estado no dia 18 de novembro.

“O Hospital Regional vai continuar como prioridade na nossa região, reduzir a fila de espera por cirurgias eletivas também, entre outras ações. O objetivo desse Planejamento Regional Integrado é trazer para mais perto da população a resolutividade do problema, evitar grandes deslocamentos para os tratamentos de saúde otimizando tempo. Estamos trabalhando com os municípios com discussões bem transparentes, traçando as prioridades mais urgentes neste momento”, conclui.

Da Redação*

TOLEDO

*Com informações da AEN