Projeto Nutriz é contemplado com doações do Proamar

Trata-se da entrega de ordenhadeiras em benefício do Projeto Nutriz. O município, por sua vez, recebeu tampas de silicone a serem repassadas ao Banco de Leite de Toledo

O Projeto Nutriz, desenvolvido pela Secretaria de Saúde de Marechal Cândido Rondon, foi contemplado nesta sexta-feira (08) com o recebimento de 13 ordenhadeiras. A doação foi realizada pelo Programa de Aleitamento Materno (Proamar), que é apoiado pelo Rotary Club 25 de Julho. A entrega ocorreu na tarde de hoje, na Clínica da Mulher.

Por sua vez, o município recebeu a doação de 200 tampas de silicone, que devem ser repassadas ao Banco de Leite de Toledo.

“Esta parceria com o Rotary Club 25 de Julho, além de importante, se fortalece cada vez mais. A doação das ordenhadeiras é importante, visto a expansão do Projeto Nutriz. Atualmente, o projeto está inserido nas unidades de saúde dos bairros Botafogo, Marechal, São Lucas e Vila Gaúcha. Em breve a iniciativa será estendida ao Jardim Líder, com a finalidade de ser ampliada ainda mais”, menciona a secretária de Saúde, Marciane Specht.

O coordenador do Proamar, Rambert Bessa, destaca ser motivo de satisfação constatar a expansão do Projeto Nutriz nas demais unidades de saúde do município. “O Proamar hoje é o principal programa do Rotary 25 de Julho. Realizamos eventos ao longo do ano para angariar fundos para fomentar o projeto no município, de modo que é uma honra poder fazer parte de algo grandioso que ajuda tanta gente”, expõe Bessa.

A entrega dos donativos foi prestigiada pela secretária de Saúde, Marciane Specht, pelo coordenador do Proamar, Rambert Bessa, pela coordenadora do Projeto Nutriz, Alexandra Mendonça, e pelos membros do Rotary Club 25 de Julho, Caroline Krummenauer e Marco Antônio Priesnitz.

NUTRIZ

Criado em 2019 e implantado naquele momento na Unidade de Saúde do Bairro Botafogo, o Projeto Nutriz, segundo a enfermeira Alexandra Mendonça, tem o objetivo não somente de doar leite humano, mas, sim, incentivar as nutrizes a amamentar seus bebês exclusivamente no peito até os seis meses de idade. Isso, segundo ela, desmistifica a ideia de que se doarem leite, faltará para o seu bebê.

A profissional de saúde lembra que o estímulo da amamentação (sugar o peito), uma alimentação saudável e uma boa ingestão de líquidos são fatores que aumentam a produção. “Consequentemente esta mulher terá uma produção maior ou até excedente e poderá realizar a doação”, frisa ela.

Da Assessoria