Quando os fios tecem sonhos e sustentam famílias

Manter o emprego tem sido uma preocupação de milhares de trabalhadores. A pandemia agravou esse receio diante das incertezas do cenário econômico. O setor industrial de Toledo, até o momento, consegue manter alinhada a empregabilidade.

A maioria das vagas disponíveis via Agência do Trabalhador – dentro do setor industrial – é para atender a linha de produção. Também existem diversos postos de trabalho abertos que exigem mais qualificação profissional. Esses campos ficam mais tempo desocupados devido à falta de mão de obra qualificada – um problema que também atinge outros municípios e setores.

“Mesmo diante de um cenário econômico instável, apenas dois meses deste ano, a indústria do município teve resultado negativo na geração de empregos”, declara o gerente da Agência do Trabalhador de Toledo, Valduir de Quadra. “A expectativa é de crescimento no setor devido o saldo geral positivo”.

Quadra destaca que, em relação ao período negativo, uma parcela dos desligamentos reflete o momento de incerteza na economia e dos trabalhadores que tiveram que se afastar pela situação de risco da pandemia. “As novas contratações preenchem essas vagas e também apontam o crescimento da produção industrial”.

PLANO DE CARREIRA – O início, ainda sem qualificação, pode render frutos e abrir portas. Com 31 anos, o técnico em eletromecânica, João Jhonatan Veiga é o supervisor de manutenção da Fiasul. “Iniciei minha trajetória na indústria quando tinha 18 anos. Era um estagiário. De família humilde e sempre batalhando para conseguir melhores condições de vida para minha mãe e minha avó, quando fui efetivado tive a certeza de qual caminho iria seguir”.

Dedicação ao trabalho e aos estudos permitiram que Veiga descobrisse a paixão pela eletromecânica e gestão de produção industrial. “Em 2013, fui trabalhar em outra indústria. Seis meses depois, recebi uma nova proposta da Fiasul. Não hesitei e retornei para meu ‘primeiro lar’”.

Para Veiga, traçar um plano de carreira dentro da empresa permitiu fazer planos em longo prazo. Ele afirma que escolheu o setor industrial como campo de atuação por acreditar ser um dos segmentos mais pujantes da economia; aquela que fomenta e gera insumos para os demais.