Saúde reforça importância da segunda dose da vacina contra Covid-19

A vacinação contra a Covid-19 avança em Toledo e o município já contabiliza 56.669 pessoas com a primeira dose do imunizante e 16.887 pessoas com a segunda dose da vacina. O Município também passou a aplicar a dose única da vacina para os profissionais que trabalham na área do transporte. De acordo com dados do Vacinômetro, atualizados no dia 6, eram 680 pessoas vacinadas com a dose única.

A vacinação contra a Covid-19 continua sendo realizada em três pontos da cidade: Centro de Revitalização da Terceira Idade Wilson Carlos Kuhn (Certi Pioneiro), Centro de Revitalização da Terceira Idade Ernesto Dall’óglio (Certi Coopagro) e Ginásio de Esportes Hugo Zeni.

Conforme as remessas chegam no Município, a Secretaria da Saúde realiza a distribuição das doses seguindo o cronograma estabelecido pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e o Plano Nacional de Imunização. Apesar da grande procura pela vacina, a busca pela segunda dose tem sido baixa nas últimas semanas.

A secretária da Saúde Gabriela Kucharski explica que o número inferior da segunda dose (D2) se deve ao intervalo maior realizado entre a primeira e a segunda dose da Astrazeneca (12 semanas) preconizado pelo Ministério da Saúde. “Tivemos baixa adesão à D2 pontual em uma faixa etária de idosos que já está sendo resolvida com busca ativa por telefone realizada pelos profissionais da Secretaria da Saúde”.

A segunda dose da vacina é realizada conforme a data anotada na carteira de vacinação do cidadão. O intervalo entre as doses é de três meses para as vacinas AstraZeneca e Pfizer e 21 dias para a vacina Coronavac. “É importante lembrar que a pessoa só está imunizada após a realização das duas doses, a exceção da Janssen que é dose única. As pessoas devem buscar pela D2, conforme anotação na carteira de vacinas”, complementa a secretária.

EFICÁCIA – A Sesa afirma que todas as vacinas são seguras e eficazes. Independente da tecnologia utilizada, esses imunizantes foram testados, tiveram sua eficácia comprovada por meio de estudos, avaliados e reavaliados por cientistas, e são aplicados em larga escala no mundo todo. No Paraná, os primeiros estudos próprios da Secretaria de Estado da Saúde apontam que as vacinas já auxiliaram a reduzir o internamento de idosos em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e acabar com surtos em Instituições de Longa Permanência para Idosos (LPIs).

Para completa imunização é recomendado seguir intervalo estipulado pelos fabricantes para garantir a eficácia da vacina. Quem recebeu a vacina AstraZeneca, Pfizer ou Coronavac não pode ficar sem a segunda dose do imunizante. “Espera-se que o paciente esteja imunizado 15 dias após a segunda dose da vacina”, esclarece Gabriela ao complementar que caso ocorra atraso, a pessoa deve procurar o local de vacinação com a carteirinha que comprove a aplicação da primeira dose e solicitar a segunda dose. “Não é necessário reiniciar o esquema vacinal”.

ORIENTAÇÃO – Completar o esquema vacinal conforme preconizado por cada fabricante e conforme anotado na carteira de vacinas é importante para a completa imunização contra a Covid-19. A medida que as idades avançam, mais pessoas são vacinadas no município. A Secretaria de Saúde orienta que as pessoas vacinem-se assim que disponível para sua faixa etária ou grupo prioritário. “Temos observado redução de casos e óbitos nas faixas etárias com esquemas completos de vacinação bem como redução da demanda de leitos de UTI nestas mesmas faixas etárias, o que comprova a efetividade das vacinas, independente do fabricante”, finaliza a secretária Gabriela.

Da Redação

TOLEDO