Setor agropecuário do transporte de cargas é o que mais padece nesta pandemia, diz presidente

Os profissionais do setor de Transporte de Cargas reivindicam por melhores condições de trabalho e, principalmente, o reajuste do piso salarial e das diárias. Diálogos estão sendo mantidos há alguns dias entre os Sindicatos, porém sem avanços consideráveis. Na última quarta-feira (17), uma comissão para abordar a temática e elaborar uma nova proposta foi composta pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Toledo (Sinttrotol). Uma reunião foi realizada, propostas elaboradas e apresentadas ao Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de Toledo (Sintratol) no mesmo dia. A categoria não descarta possibilidade de paralisação das atividades.

Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Toledo Luis Adão Turmina, a data-base da categoria era julho. No ano passado, naquele mês, a categoria aceitou uma alteração devido as consequências da pandemia. Um Termo Aditivo foi realizado e a data-base passou para janeiro de 2021. Turmina explica que a categoria defende o reajuste e também o pagamento dos meses retroativos.

Neste momento, o setor do Transporte de Cargas que está mais impactado é o agropecuário, mais específico ao que presta serviço para uma empresa no município ao realizar o transporte de suínos, frangos e rações. “Os trabalhadores solicitam o reajuste de 10% no piso salarial e o valor de R$ 25 na diária. Atualmente, eles recebem R$ 21,50 na diária”, afirma Turmina ao recordar que o Sindicato Patronal apresentou a proposta de 5.53% de reajuste no piso salarial e na diária, porém o trabalhador não acatou.

DIÁLOGO – O presidente do Sinttrotol destaca que o diálogo com o Sindicato Patronal acontece em média 60 dias. “São apresentadas propostas e contrapropostas”. Turmina pondera que a proposta foi encaminhada ao Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de Toledo e a categoria vai aguardar um novo posicionamento até esta sexta-feira (19). “Aguardaremos a resposta. Mesmo sendo positiva ou negativa, ela será avaliada e apresentaremos a nossa decisão”.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário de Toledo, diante de uma resposta que não agrade, a categoria não descarta a possibilidade de realizar os encaminhamentos para um indicativo de greve. Ele afirma que o Sindicato fará todos os trâmites burocráticos.

Atualmente, aproximadamente 200 trabalhadores atuam no setor agropecuário. Ao todo, são em média 800 profissionais que realizam o transporte de cargas em Toledo. “O nosso desejo é que todos sejam beneficiados com a convenção”.

PANDEMIA – Infelizmente, a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) também impactou essa categoria. Turmina lembra que as negociações, os reajustes e os benefícios ficaram parados no ano passado. “Em 2020, não conseguimos avançar em nenhum negócio; não conseguimos renovar acordo ou convenção. Não conseguimos nada!”.

Ele complementa que existe a tentativa da negociação neste começo de 2021, no entanto, avalia como complicada a situação. “Algumas empresas optaram pelo acordo individual. Nós devemos entender a realidade do Brasil e compreendemos que é preciso, às vezes, dar um passo para trás e dois para frente. Mas, o trabalhador confia em nosso trabalho e o Sindicato sempre buscará o melhor para toda a categoria”, finaliza Turmina.

Em contato com o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de Toledo (Sintratol) Allan Rodrigues Tressi, ele disse que vai observar o documento e os encaminhamentos devidos serão realizados.

Da Redação

TOLEDO