Com 189 notificações de dengue, Toledo realiza primeiro LIRAa de 2021

Em um ano de Covid-19, dengue ainda preocupa autoridades em Saúde, pois a população não pode se descuidar no combate a outras doenças. Em Toledo, o trabalho do Departamento de Endemias não para. Os Agentes de Combate a Endemias (ACEs) realizam vistorias em busca do mosquito Aedes aegypti.

O Aedes aegypti é vetor da dengue e ele também é capaz de transmitir as doenças como Chikungunya e Zika. O coordenador do setor de Endemias, Selídio Schmitt explica que ao comparar os dados divulgados no dia 29 de dezembro com o mesmo período de 2019, eles são preocupantes. “No último ciclo, Toledo enfrentou uma epidemia de dengue. No entanto, os primeiros casos positivos foram contabilizados somente em janeiro. Neste ciclo, nós já temos três casos autóctones confirmados”.

Schmitt cita que a equipe encontrou 38 focos do mosquito em um dia de trabalho. “Às vezes, um local pode ter quatro ou cinco focos. O índice está elevado. Além disso, as pancadas de chuvas e o sol colaboram para o desenvolvimento das larvas”.

Por isso, toda a equipe pede que as pessoas não deixem lixos domésticos que podem acumular água no tempo ou até mesmo pequenos depósitos de fáceis remoções, como baldes, potes de animais ou vasos de plantas. “São materiais de uso diário, porém é fácil remover a água ou então ele ser um local para a criação do mosquito”, enfatiza o coordenador.

DADOS – Até a última terça-feira, Toledo tinha 189 notificações de dengue. Destes casos suspeitos, 170 foram descartados e outras 16 pessoas aguardavam resultado de exame laboratorial. “Sempre que alguém com quadro suspeito desta doença é atendido nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs), o médico recomenda fazermos varreduras em um raio de 300 metros da residência do paciente”, salienta o profissional ao complementar “e o que temos visto durante este trabalho não é nada animador, pois observamos o mosquito se reproduzir com facilidade. Isso pode causar em um crescimento vertiginoso de casos de dengue, sobrecarregando ainda mais um sistema que está atuando no limite para atender as pessoas com Covid-19”, alerta Schmitt.

PRIMEIRO LIRAA – O Setor de Endemias de Toledo inicia, nesta segunda-feira (4), o primeiro Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa). A ação vai percorrer duas mil residências e lotes baldios de todos os bairros da cidade. O objetivo é verificar em quantos deles há focos do mosquito que transmite várias doenças. A ação durará entre três a quatro dias úteis sem chuva e ajudará a compreender a extensão do risco de surgimento de uma epidemia de dengue.

Conforme o coordenador do Setor de Endemias, o roteiro de visitas dos agentes será elaborado de forma aleatória. “Existe um programa do Ministério da Saúde que faz um sorteio que garante que 5% dos imóveis de cada bairro tenha sua situação verificada”, explica

ORIENTAÇÕES – Schmitt recomenda que a população não deixe água acumulada no quintal e orientar a descartar tudo aquilo que pode servir de criadouro para o Aedes.

Ele solicita que a população receba bem os agentes. “E não crie dificuldades para este trabalho. Infelizmente, em virtude do medo de infecção pelo novo coronavírus, muitas pessoas não os estão deixando entrar e isso precisa mudar”, revela.

Da Redação com informações da Assessoria

TOLEDO