Transporte coletivo: usurários reclamam de superlotação em horário de pico

“Como manter ao menos um metro de distância da outra pessoa em um ônibus lotado?”, indaga uma usuária do transporte coletivo de Toledo. Ela e outros usuários entraram em contato com a equipe do JORNAL DO OESTE para relatarem o dilema que estão vivendo nos últimos dias. O sentimento é de medo de acabar contaminado com o novo coronavírus dentro do ônibus.

Os usurários – que preferem não ser identificados – ressaltam que a lotação tem se agravado nos últimos dias. “Acredito que seja pelo fato de estarmos próximos ao natal. Todos os dias encontro pessoas novas dentro do ônibus, para quem faz a mesma rota há anos conhece quem sempre usa o coletivo. Agora, também tem mais idosos nos ônibus. Não quero entrar no mérito do direito de ir e vir deles, mas se pertence ao grupo de risco, não está indo trabalhar ou ao médico, porque não deixar para usar o coletivo naqueles horários com menos gente?”, cita uma usuária da linha da região do Jardim Europa/América.

“As pessoas estão de máscara, afinal, ninguém pode entrar sem. Porém, no meio do trajeto, alguns insistem usar a máscara no pescoço, desse jeito também não adianta nada”, alerta o usuário que todos os dias faz o trajeto do Jardim Panorama até a Vila Industrial. “Se vai entrando gente e mais gente, vai ficando difícil de manter pelo menos um metro de distância. Se você fica em pé, pode até ficar longe da outra pessoa que está em pé, mas acaba ficando ao lado de quem está sentado. Lá em março, quando tudo começou, por vezes, eu fui de carro acionado pelo aplicativo para o trabalho, mas o ano foi difícil para todos e, neste momento, já não tenho condições de pagar por isso. Não tenho outra saída a não ser pegar o ônibus todos os dias”.

Já a usuária da Vila Pioneiro comenta que a redução dos horários, no momento, está contribuindo para a lotação dos veículos. “Antes tinha mais horário e mesmo assim em épocas como agora enfrentávamos superlotação, imagina com as linhas reduzidas. Além da lotação, nem sempre tem álcool em gel dentro do ônibus. Já vi motorista dirigindo com a máscara no queixo e usuário também usando de maneira incorreta, depois que passa a catraca abaixa a máscara. Também já presenciei troca de motorista sem que tivesse sido feita a higienização no volante, câmbio, enfim no espaço da direção. Vejo que todos precisam dar o exemplo, começa pela empresa gestora e assim vai passando para os funcionários”.

MEDIDAS DE SEGURANÇA – O anexo do Decreto Nº 910, de 31 de agosto de 2020 aponta que “as concessionárias de serviços de transporte coletivo ou prestadores de serviço de transporte individual deverão manter a limpeza constante dos veículos, com especial atenção para os pontos de contato dos passageiros, e as janelas dos veículos sempre bem abertas; – os passageiros deverão evitar tocar nas barras de apoio e demais locais do interior do veículo; – ao sair do veículo, assim que possível, lavar as mãos com água e sabão. Não sendo possível, utilizar álcool gel 70%; – obrigatoriedade da utilização de máscara facial, por todos os usuários e operadores, no transporte coletivo urbano”.

SORRISO DE TOLEDO – A Sorriso de Toledo – concessionária que administra o transporte coletivo no município – encaminhou um comunicado via Assessoria de Comunicação. “Monitoramos a demanda diariamente através dos dados de bilhetagem eletrônica. Não temos nenhum decreto municipal limitando a lotação, seguimos o decreto estadual, respeitando a lotação máxima em 70% nos horários de pico. Vale ressaltar que a carroceria do transporte urbano é projetada para transportar a maior parte em pé, visto que, os trajetos são curtos, ou seja, um ônibus com capacidade para 60 passageiros, possuí em média 18 acentos, diante disso, se estiver com uma lotação de 50% da capacidade, dá sensação de superlotação. Quando percebemos que há indícios de aumento na demanda, colocamos carros extras”.

MEDIDAS – O secretário de Administração, Moacir Neudi Vanzo, no início da tarde de terça-feira (15) disse que tinha uma reunião, agendada às 16 horas, com a gerência da Sorriso de Toledo para discutir medidas que podem ser adotadas para evitar a superlotação. No entanto, devido as agendas, a reunião foi transferida para esta quarta-feira (16).

Da Redação