Tratamentos das doenças crônicas não podem ser esquecidos durante a pandemia

A atenção está mais voltada ao combate da Covid-19. A pandemia não fez com que as outras doenças deixassem de existir, mas desencadeou a falta de cuidados de pacientes que sofrem doenças crônicas, inclusive na continuidade do tratamento. Todos os anos, milhões de brasileiros morrem de problemas cardiovasculares e diabetes entre outras enfermidades crônicas. Mesmo na luta contra o novocoronavírus é preciso ter cuidado em relação a essas doenças tão devastadoras.

“Assim como todas áreas médicas, um dos grandes desafios agora é manter nossos pacientes bem orientados sobre a importância de não interromper os tratamentos e acompanhamento das doenças crônicas. Na minha especialidade de reumatologia, a grande maioria das doenças é crônica e requer tratamento contínuo”, destaca o médico reumatologista, Leonardo Michaelis Schmidt.

Neste período da pandemia, segundo o médico, alguns pacientes acabam abandonando o tratamento e isso pode acarretar em grande prejuízo para sua saúde. Ele enfatiza que sempre é bom orientar para que as pessoas que apresentam doenças crônicas, sejam reumáticas ou não, que mantenham o acompanhamento regular com seu médico de confiança.

TRATAMENTO CONTÍNUO – O profissional comenta que muitos pacientes e familiares têm certa dificuldade de aceitar as doenças crônicas ou alterações habituais do envelhecimento. “Diante disso, às vezes não compreendem a necessidade do tratamento adequado e precoce das doenças crônicas e necessidade de acompanhamento regular. Isso de certa maneira acabou se intensificando durante a pandemia”, explica ao mencionar que nas últimas semanas com a diminuição do número de casos ativos na cidade, as pessoas, de forma gradativa, estão retornando à sua rotina de vida e também aos consultórios médicos para seguimento de seus tratamentos.

“Considero fundamental a manutenção do tratamento das patologias crônicas, mesmo em tempos de pandemia. Doenças crônicas reumáticas, cardiovasculares, renais, oncológicas, entre outras, podem se exacerbar em caso de não acompanhamento regular e isso pode trazer graves prejuízos para saúde das pessoas. As clínicas e hospitais de Toledo estão seguindo todos os protocolos de segurança para garantir um atendimento tranquilo e confortável para seus pacientes”, alerta o médico.

MEDICINA E QUALIDADE DE VIDA – Para o reumatologista, a vontade de poder ajudar o próximo é uma das grandes virtudes que a medicina proporciona. “É muito gratificante poder observar e acompanhar a melhora na qualidade de vida de pacientes com problemas crônicos. Temos o prazer de vivenciar isso diariamente na especialidade da reumatologia, ajudando portadores de doenças reumáticas, os chamados ‘reumatismos’, a ter uma melhor qualidade de vida sem precisar sentir dores articulares diariamente, evitando também eventuais sequelas que essas doenças podem desenvolver”.

O médico psiquiatra, Ronan D’Ávila, também reforça que em tempos de pandemia é preciso adotar todos os protocolos de segurança em relação ao combate da Covid-19, mas é importante olhar para a saúde de maneira geral sem esquecer-se de cuidar do emocional e dos problemas crônicos.

“Estamos todos na mesma luta, pequenas diferenças pessoais, como orientação política, não são importantes. A vida é um valor absoluto. Sempre aprendemos com as dificuldades, a medicina sempre evoluiu em situações de estresse e de sofrimento, como em guerras e pandemias. A resiliência nos faz superar o desafio de forma positiva, construindo forças e habilidades e nunca retornarmos ao ponto inicial, sempre saímos dos desafios mais preparados para um próximo enfrentamento”, avalia D’Ávila.

GESTAÇÃO ACOMPANHADA – Quem também precisa ter um cuidado especial neste período é a gestante. Diante de inúmeras incertezas, o receio em contrair a doença pode desencadear outras complicações. O médico ginecologista e obstetra, Ramon Ribeiro de Jesus, comenta que o medo gera ansiedade e isso pode levar a problemas na gestação.

Ramon explica que a paciente pode apresentar quadros de palpitações, sensação de falta de ar, tristeza e diversos outros fatores que levam inclusive a aumento de peso, dificuldade para realizar tarefas cotidianas e aumentando doenças como alterações cardiovasculares e diabetes. Além disso, o estresse leva a aumento de cortisol, hormônio que em excesso traz diversos problemas na gestação.

“O acompanhamento do pré-natal em tempos de Covid-19, pelo menos em relação à frequência, são os mesmos. No geral não é necessário ir mais ou menos que o recomendado para a gestante no caso. A consulta mensal é importante para acompanhar o estado geral de saúde da gestante, bem como prevenir e tratar quaisquer patologias da mãe ou do feto. A consulta de pré-natal é à saída de casa mais recomendada durante este período”, esclarece.

O obstetra reforça que a gestação é uma fase de dúvidas, medos e carregada de expectativas. “Com uma situação tão sem precedentes como a Covid-19, é natural e até mesmo compreensível toda a preocupação sobre como encarar essa situação. Fazer o acompanhamento do pré-natal conforme recomendações, ficar atenta a sinais e sintomas na gravidez e evitar se expor a situações de risco para que essa pandemia não afete este momento tão importante na vida da mulher”, orienta o profissional.

Da redação