Um pai que vai…um filho pequeno que fica

Teste positivo. Medo, angústia e busca por atendimento. O início parecia ser uma situação contornável, afinal ele era forte, saudável, sem comorbidade, com 30 anos e a vida pela frente. Um filho, um pai, um marido, uma vida interrompida que refletirá em outras vidas.

Rodrigo Fernando Koehler, infelizmente, perdeu a batalha para a Covid-19 no dia 6 de maio de 2021. Ele lutou, foi valente, deu sinais de melhora, mas o vírus foi sorrateiro. A Covid-19 não escolhe raça, classe social, sexo, tão pouco se é um pai de família, um filho dedicado, um amigo presente.

“O vírus evoluiu muito rápido. O corpo dele não estava conseguindo reagir aos antibióticos. Ninguém espera que ele precisasse ser intubado. Depois disso, nossa vida ‘virou ao avesso’. Afinal, ele era um homem forte e sem nenhum problema de saúde”, relata a irmã de Rodrigo, a auxiliar administrativa, Bruna Franciele Koehler.

Foram 42 dias de sofrimento. Após a intubação, a família passou a viver outra angústia: o afastamento, o não poder vê-lo, o não poder passar energias positivas presencialmente. A ligação dos profissionais de saúde – Rodrigo ficou internado no Hospital Bom Jesus – era esperada a cada dia com ansiedade e esperança de boas notícias.

“Após 30 dias e sem nenhuma melhor, o médico ligou para pedir autorização para fazerem a traqueostomia. Depois desse procedimento ele teve uma leve melhora, mas como os pulmões foram muito atingidos acabou não resistindo e faleceu”, lamenta a irmã ainda vivendo este período de luto.

A DOR DE QUEM FICA – Bruna afirma que a partida está sendo muito dolorosa, pois a família não imaginava perder o Rodrigo assim tão jovem e saudável. “Muitas pessoas ainda não acreditam no que a Covid-19 é capaz de fazer. Essa doença pode matar. Levou um irmão, um filho, um pai, um marido, um padrasto, um amigo, um profissional. Tirou a oportunidade do meu sobrinho conhecer melhor pai. O Rodrigo não vai poder ver o Bruninho andar, correr, jogar bola, aprender a falar. Ela levou um pedaço de nós”.

Da Redação

TOLEDO