Unioeste e Tecpar acertam detalhes de parceria para o desenvolvimento da piscicultura

O Campus de Toledo da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) recebeu a visita do Diretor de Tecnologia e Inovação do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Carlos Gomes Pessoa. A visita aconteceu para tratativas acerca do Centro de Referência em Nutrição e Piscicultura, localizado em Toledo. No encontro foi apresentado o planejamento do Tecpar para a conclusão da reforma do Centro, incluindo os laboratórios e áreas de treinamento, assim como o encaminhamento para a definição conjunta dos processos de gestão e operacionalização, que ficará sob responsabilidade do Campus de Toledo. O Tecpar apoiará a operacionalização com treinamento para o uso dos equipamentos e serviços de calibragem.

As parcerias entre Superintendência de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná (SETI), a Unioeste e o Tecpar desencadearam o projeto para desenvolvimento e implantação do Centro de Referência em Nutrição e Piscicultura contratado pelo Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Setor Agropecuário (Prodesa) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). O projeto deverá atender diretamente a 6 mil produtores de tilápia do Paraná, com foco na melhoria da qualidade dos pescados da região e o fortalecimento da piscicultura comercial.

A parceria Unioeste/Tecpar foi iniciada ainda pelo professor José Dilson de Oliveira, quando diretor geral do Campus, sucedido pelo diretor geral seguinte, o professor Remi Schorn, para a gestão do Centro por parte da Unioeste.

O objetivo do projeto é oferecer prestação de serviços relacionados a análises laboratoriais e treinamento aos produtores de pescados das regiões Oeste e Sudoeste do Paraná, para que possam ter condições de se fortalecer como empresas e atender à demanda de consumo do mercado. “Com essa parceria, os pesquisadores da Universidade também poderão fazer análises e levantar dados para suas pesquisas, tanto na iniciação científica, como no mestrado e doutorado, com isso beneficiando a formação acadêmica e profissional dos estudantes de graduação e pós-graduação. Dessa forma, os produtores que serão atendidos poderão aperfeiçoar seus conhecimentos e utilizá-los com a finalidade de promover aumento na sua produtividade e na qualidade dos seus produtos, podendo ainda gerar mais emprego e renda na região”, ressalta Oliveira.

Segundo Schorn, a atividade é benéfica para a Universidade, para o Tecpar e, principalmente, para o conjunto dos produtores atendidos, que terão à sua disposição um conjunto grande de ações tecnológicas para aperfeiçoamento de procedimentos e melhoria da produção. “A incorporação de tecnologia nos processos produtivos sempre é derivada de ações científicas, e isso a Unioeste faz muito bem”, avalia Schorn.

De acordo com a Associação Brasileira de Psicultura, o Brasil é o quarto maior produtor de tilápias do mundo (atrás de China, Indonésia e Egito), com 432 milhões de toneladas produzidas em 2019.  No cenário nacional, o Paraná é o maior produtor, com 146 mil toneladas em 2019.

Segundo Pessoa, “o Centro de Referência em Nutrição e Piscicultura, por meio de análises de amostras da água e do solo dos tanques de criação; análises químicas, físicas e microbiológicas do pescado e ensaios em rações e insumos, aliados à difusão de tecnologias, aos aquicultores de tilápia, destinada à melhoria da qualidade do pescado permitirão agregar valor ao produto e desenvolver ainda mais a cadeia aquícola”.

As próximas etapas do projeto são a elaboração de um plano de ação conjunta para aprovação do MAPA e a obtenção da licença ambiental do Instituto Água e Terra do Paraná (IAT).

TOLEDO