Unioeste Toledo recebe visita técnica de alunos da UPF

O Programa de Extensão Ideia Paraná Oeste e o Grupo de Estudos em Manejo na Aquicultura (Gemaq), da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) campus Toledo, receberam uma excursão dos estudantes de graduação em Medicina Veterinária da Universidade de Passo Fundo (UPF), do Rio Grande do Sul.

O objetivo da viagem foi conhecer a realidade da piscicultura da região Oeste do Paraná, o maior polo de produção e industrialização de peixes do Brasil que conta com mais de dois mil piscicultores e 24 entrepostos de pescado que industrializam mais de 300 toneladas de peixes por dia.

O estado do Paraná é o maior produtor de peixes do país com produção de mais de 180 mil toneladas ao ano. A região Oeste concentra cerca de 70% da produção do estado.

O professor do curso de Engenharia de Pesca da Unioeste, Aldi Feiden, afirma que a parceria com a UPF tem proporcionado intercâmbio de alunos da graduação e da pós-graduação, com estágios curriculares e, também, com pesquisas em parceria com disciplinas da pós-graduação dos programas das duas instituições.

A excursão realizada na região foi coordenada pelos professores Aldi Feiden, da Unioeste, e pelos professores Leonardo José Gil Barcellos e Gessi Koakoski, ambos do Laboratório de Fisiologia de Peixes da UPF.

Foram visitadas a indústria de filetagem de tilápias e a fábrica de farinha e óleo de resíduos de pescado da empresa Pescados Sereia Ltda; e a unidade de produção de alevinos e juvenis de tilápia Sol Nascente, da empresa Piscicultura Dal Bosco, ambas de Toledo. No período da tarde foram visitados a Aquicultura Venites, que atua na produção de alevinos e juvenis de tilápias e de outras espécies de cultivo, nativas e exóticas.

Na sequência, a visita foi no município de Ouro Verde do Oeste, para conhecer a indústria de processamento de tilápias FrigoKohler. Os estudantes e professores também participaram do Workshop sobre Nutrição de Peixes realizado também em Ouro Verde do Oeste, promovido pela Associação Comercial e Industrial de Ouro Verde do Oeste (ACIOV), FrigoKohler e a indústria de rações RAGUIFE, de Santa Fé do Sul/SP.

AGRICULTURA FAMILIAR – No segundo dia de visitas técnicas, os alunos conheceram, no município de Maripá, uma experiência na agricultura familiar, na Piscicultura Stiebbe, onde o proprietário Jonathan Stiebbe, cujos pais são oriundos do Rio Grande do Sul, relatou que assumiu a propriedade investindo na piscicultura, e que tem implantado inovações para ampliar a produção e produtividade com foco no cooperativismo.

No município de Marechal Cândido Rondon, no distrito de Margarida, o grupo conheceu a experiência da Piscicultura Dal Pisol, que tem 100 mil metros quadrados de lâmina d’água destinadas à produção de tilápias, em um sistema intensivo totalmente automatizado.

Nesta propriedade foi mostrado aos alunos da graduação a importância da automação dos processos de produção e visão de futuro do empreendedor rural na atividade.

Na sequência, os alunos conheceram a experiência de 40 anos do pescador-aquicultor Walter Kist, que possui uma área aquícola no rio São Francisco, afluente do reservatório da Usina Hidrelétrica Itaipu Binacional, onde produz pacus e tilápias em tanques rede. Nesta visita, os alunos ouviram do piscicultor como foi sua trajetória de pesca desde o enchimento do reservatório até a produção aquícola em tanques rede. O relato permitiu que os estudantes conhecessem as dificuldades e as perspectivas, pois ele foi pioneiro na implantação de tanques rede para criação de peixes.

TILÁPIA DE QUALIDADE – Ao final da excursão, foi realizada a visita à Starker Fisch, empresa rural do município de Missal especializada no segmento de produção superintensiva de juvenis de tilápia, ramo considerado fundamental para a produção intensiva de tilápia de qualidade.

Segundo o professor Barcellos, viagens e visitas técnicas se constituem em um diferencial no ensino universitário. “Os alunos têm a oportunidade de vivenciar experiências reais de toda a cadeia produtiva do peixe cultivado, além de serem acompanhados e orientados por professores destacados na produção de conhecimento na área”, explica Barcellos

O professor Feiden destaca a integração entre as instituições formadoras de profissionais que possam atuar e contribuir na área de produção de pescado. “A participação de novos médicos veterinários é importante, pois toda a cadeia produtiva necessita de profissionais que atuem no controle de qualidade e sanidade dos animais e na qualidade do alimento produzido”, relata Feiden. Finalizando, o prof. Barcellos destacou que foi uma experiência relevante e inesquecível para a formação acadêmica dos alunos.

O diretor geral do campus de Toledo, Remi Schorn, avalia que “mostra a relevância das atividades que nós fazemos e o alcance inter-áreas, ampliando a área de atuação específica e dialogando com os setores próximos, mas de instituições, inclusive, bem distintas – uma vez que esta é uma universidade pública, gratuita e de qualidade e a UPF é uma universidade comunitária”, conclui Schorn.

TOLEDO