‘A realidade está superando a ficção’

Ping: Petra Costa, cineasta

A nomeação de ‘Democracia em Vertigem’ para o Oscar ampliou uma discussão sobre o tema da política. Como você avalia a repercussão do documentário?

Trabalho com documentários desde 2004 e, profissionalmente, desde 2009. Pretendo continuar explorando esse gênero, ainda mais nos tempos atuais, em que realidade está constantemente superando a ficção.

O que achou da escolha de Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, de Bárbara Paz, para representar o Brasil no Oscar 2021? Temos chance?

Fiquei muito feliz com essa nomeação. Havia um preconceito enorme contra a categoria de documentários. Babenco é um filme belíssimo, Bárbara Paz fez um filme-poema, que emociona intensamente. Acredito que o filme tem chances tanto pela sua poesia quanto pela notoriedade que o próprio Babenco teve em Hollywood.

Aliás, documentário é um gênero que te agrada? O que tem visto ultimamente?

Sim, gosto muito de documentários. Alguns recentes que vi e gostei são Êxtase da Moara Passoni (que sou suspeita, pois sou a produtora); Collective, do Alexander Nanau; Dick John is Dead, da Kirsten Johnson; e Bem-Vindo a Chechênia são os que mais me impactaram, além de Babenco.

Está trabalhando em algo novo?

Estou trabalhando num documentário chamado Dystopia, que se iniciou na pandemia e tem se tornado sobre esse novo Brasil que muitos de nós estamos ainda tentando entender.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.