Filmes sobre o caso Richthofen

Cenas de A MENINA QUE MATOU OS PAIS e O MENINO QUE MATOU MEUS PAIS são transformadas em um clipe especial para cover da música ‘Love Will Tear Us Apart’, da banda Joy Division. Os filmes estrelados por Carla Diaz, que participou do BBB21, são baseados nos autos do processo do crime que chocou o Brasil e têm roteiro de Ilana Casoy e Raphael Montes.

ASSISTA AO VÍDEO

Destaque da trilha sonora, as versões de ‘Love Will Tear Us Apart’ são tocadas no ápice e finais dos filmes. Em A MENINA QUE MATOU OS PAIS, que conta o ponto de vista de Daniel Cravinhos, ‘Love Will Tear Us Apart’ é interpretada pela cantora Manu Pinto; já em O MENINO QUE MATOU MEUS PAIS, versão de Suzane Richthofen, por João Côrtes. A produção musical é de Ed Côrtes, responsável pela trilha que conta ainda com músicas versões do Radiohead e de músicas originais de bandas nacionais como Charlie Brown Jr e O Rappa, que faziam muito sucesso na época em que os filmes acontecem.

Gabriel Gurman, CEO da Galeria Distribuidora e coprodutor dos filmes que são um case no mercado cinematográfico brasileiro, comenta a escolha: “Durante o desenvolvimento da produção, o nosso foco era incluir na trilha sonora uma música internacional, mundialmente conhecida, para fazermos uma versão exclusiva para cada um dos filmes. Era importante que a letra estivesse, de certa forma, relacionada com a trama, e foi assim que chegamos em ‘Love Will Tear Us Apart’, um verdadeiro hino, cuja letra cabe totalmente no contexto da história.”. 

Sobre os filmes:Em 2002, o casal de namorados Suzane von Richthofen (Carla Diaz) e Daniel Cravinhos (Leonardo Bittencourt) chocou o Brasil ao se declararem culpados pelo brutal assassinato dos pais de Suzane. Ao longo do julgamento deles, esse caso é revisitado em busca de respostas sobre os motivos do casal para cometer essa atrocidade. Um drama de crime real sobre um dos casos de assassinato mais chocantes do Brasil. Baseados nos autos do processo, os dois filmes serão lançados simultaneamente e mostrarão pontos de vista diferentes do mesmo caso. 

Dirigidos por Maurício Eça, os longas têm produção de Marcelo Braga e roteiros da criminóloga Ilana Casoy (autora de “Casos de Família: Arquivos Richthofen”) e do escritor Raphael Montes. A produção é da Santa Rita Filmes em coprodução com a Galeria Distribuidora e o Grupo Telefilms. A distribuição de A MENINA QUE MATOU OS PAIS e O MENINO QUE MATOU MEUS PAIS é da Galeria Distribuidora.
Sobre a Galeria DistribuidoraA Galeria Distribuidora é uma companhia brasileira que distribui longas-metragens nacionais. A inovação e o dinamismo são as diretrizes para o trabalho da Galeria, que participa de forma colaborativa desde a concepção dos projetos com as maiores produtoras do Brasil. Focada em títulos comerciais e com grande apelo junto ao público, a empresa apresenta em seu portfólio filmes como Ana e Vitória, Cinderela Pop e Os Exterminadores do Além Contra a Loira do Banheiro. A Galeria Distribuidora é responsável por um case inédito no mercado cinematográfico local: lançar simultaneamente A MENINA QUE MATOU OS PAIS e O MENINO QUE MATOU MEUS PAIS, dois longas com pontos de vista diferentes sobre a mesma história. 

Sobre a Santa Rita FilmesA Santa Rita Filmes é uma produtora brasileira independente que atua na criação e produção exclusivamente de conteúdo audiovisual; contar histórias é sua maior motivação. Em apenas 8 anos já contabiliza 6 longas metragens, destaque para os ainda inéditos A MENINA QUE MATOU OS PAIS e O MENINO QUE MATOU MEUS PAIS e para os filmes Gostosas, Lindas e SexiesLascados e A Garota Invisível. Ainda assina mais de 20 séries entre documentais e life style, com destaque para Tu casa es Mi Casa além de Encuentros em Brasil premiada no El Ojo Ibero America e Cristal festival na França e as séries A Roupa Ideal e Guerreiros da Floresta

Da Assessoria