Coleção que marca centenário de Poty Lazzarotto já está em exibição no MON

0 811

O Museu Oscar Niemeyer (MON) inaugurou na noite de quinta-feira (11) a grandiosa exposição “Trilhos e Traços – Poty 100 anos”, que comemora o centenário de Poty Lazzarotto (1924-1998). Com curadoria de Maria José Justino e Fabricio Vaz Nunes, a mostra reúne aproximadamente 500 obras, um recorte da doação de mais de 4 mil peças realizada pela família do artista ao museu, em 2022, e está disponível ao público na Sala 6.

“A partir de agora, um significativo recorte da Coleção Poty pode ser vista pelo público nesta mostra, que inicia no MON um espaço contínuo de exposições deste importante artista”, pontuou a diretora-presidente do Museu Oscar Niemeyer, Juliana Vosnika, durante a cerimônia de abertura.

Os visitantes do Museu Oscar Niemeyer, em especial centenas de estudantes da rede pública e particular do Estado, que diariamente frequentam o museu, poderão saber e conhecer mais sobre este nosso artista, que certamente é um dos principais nomes das artes do Estado e do País.

Assim, o eixo central deste prédio se transforma em palco para as maiores coleções recebidas pelo MON, ao lado das mostras de arte asiática e africana. “Preservar não apenas o legado de Poty Lazzarotto, mas sua memória é antes de tudo um dever. Tarefa assumida e realizada, com muita satisfação, por todos nós do Museu Oscar Niemeyer”, reforçou Juliana.  

Para a secretária estadual de cultura Luciana Casagrande Pereira, em seu centenário, Poty Lazzarotto segue representando melhor do que ninguém uma verdadeira estética paranaense e curitibana. “Não é à toa que Poty nasceu no mesmo dia do aniversário de Curitiba. Cada elemento presente na paisagem da cidade podia inspirar Poty e Poty, claro, nos faz lembrar imediatamente a cidade”, afirmou.

Ela destacou ainda a sensibilidade e generosidade da família do artista ao doar mais de 4 mil peças de Poty Lazzarotto ao Museu Oscar Niemeyer em 2022. 

DOAÇÃO – Em 29 de março de 2022, dia do aniversário de Curitiba – e coincidentemente, data de nascimento do artista Poty Lazzarotto – o MON recebeu a maior coleção já doada à instituição: aproximadamente 4,5 mil peças. A coleção conta com mais de 3 mil desenhos e 366 gravuras, além de tapeçarias, entalhes, serigrafias e esculturas, entre outros. A doação foi feita diretamente pelo irmão do artista, João Lazzarotto.

São obras que enriquecem ainda mais o acervo do MON, que nos últimos anos quintuplicou de tamanho, consolidando o museu como um dos mais importantes da América Latina. Um recorte dessa vasta coleção de Poty poderá ser visto nessa exposição. Assim, o eixo central do prédio do museu se transforma em palco para as maiores coleções recebidas pelo MON, ao lado das mostras de arte asiática e africana.

POTY
Cerimônia de inauguração foi na noite desta quinta-feira (11). Foto: Kraw Penas/SECC


POTY – Poty Lazzarotto (Curitiba, 1924-1998) trilhou seu caminho a partir do desenho, aprofundando-se, em seguida, na gravura, da qual se tornou um mestre, sendo o criador do primeiro curso de gravura do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Muito de sua produção é biográfica, indo de lembranças de menino em torno de trilhos e vagões de trem a registros de tipos curitibanos e dos cenários que eles habitam.

Poty é direto e sem rodeios em seus desenhos e gravuras. Foi com essa característica espontânea que ilustrou diversas obras da literatura brasileira, como “Os Sertões”, de Euclides da Cunha, e “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa. Não poderia, também, ter deixado de dar a vida aos curitibanos controversos retratados nos contos de outro ícone paranaense, Dalton Trevisan.

Não bastasse sua presença na literatura, Poty deixou sua marca em toda Curitiba por meio de seus monumentos ou painéis de azulejo e de concreto aparente, prática que se iniciou com o painel “Desenvolvimento histórico do Paraná”, de 1953, na Praça 19 de Dezembro.

Outros exemplos dessa produção são os painéis da Travessa Nestor de Castro, nos quais ele mostra, de um lado, a cena de uma Curitiba que já não existe, e, do outro, a evolução da cidade, surgida em meio ao pinheiral, habitada por imigrantes, e que se destaca no campo do urbanismo.

Doada ao Museu Oscar Niemeyer, a coleção diz respeito a toda essa produção. Há desenhos realizados por ele em sua expedição ao Xingu, em 1967, e estudos que mostram a evolução do seu traço, desde a sua juventude até a maturidade. Dessa forma, a coleção constitui um verdadeiro material etnográfico sobre o artista.

A coleção também é formada, é claro, por obras consumadas, desenhos, xilogravuras, litogravuras, gravuras em metal, entalhes em madeira e blocos de concreto.

MON – O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Cultura. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além de grandiosas coleções asiática e africana. No total, o acervo conta com aproximadamente 14 mil obras de arte, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Serviço:

Exposição “Trilhos e Traços – Poty 100 anos”

Disponível ao público a partir do dia 12/4

Sala 6

www.museuoscarniemeyer.org.br

Deixe um comentário