Paciência!

“Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma. Até quando o corpo pede um pouco mais de alma; a vida não para”, assim diz a canção interpretada por Lenine. Em 2020, a vida pede paciência e calma para a população. Incêndios; um ano da tragédia de Brumadinho; casos de intoxicações em cervejaria; falta de chuva; falta de água; tensão entre países; queda na economia; desemprego; gafanhotos; violências de todos os tipos e pandemia de um coronavírus desconhecido são alguns dos fatos que marcam o Brasil e o mundo neste ano. 2020 é um ano para fazer história.

Em evidência a Covid-19 e as mudanças para combatê-la. A doença pede para que a sociedade tenha calma e apenas dê um tempo. Um tempo para evitar aglomeração; um tempo para evitar a proliferação ou o contágio da doença; um tempo para curar-se; um tempo para lutar pela vida e um tempo para superar a morte.

Talvez a doença Covid-19 pede para que a sociedade tenha um tempo para rever os seus conceitos sobre a vida; um tempo para ler; um tempo para compreender a importância da sua saúde, dos seus familiares e dos outros; um tempo para sorrir; um tempo para entender a economia; um tempo para renovar a sua fé; um tempo para compreender o sentido de uma alimentação balanceada; um tempo para ler; um tempo para dormir; um tempo para perdoar; um tempo para mudar; um tempo para reconhecer uma necessidade; um tempo para estar com a sua família; um tempo para resgatar valores essenciais: o amor, a amizade, a solidariedade e a proteção à vida.

A Covid-19 pede paciência para todas as pessoas. No entanto, o que se vê é a falta dela. O pedido é ficar em casa em nome de sua vida. Porém, como na canção “mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma”, a incerteza do futuro; da economia; da comida não colocada na mesa para a família; da conta a ser quitada; enfim, o trabalho preocupa e ele é importante para todo o cidadão, pois “a vida não para”.

O pedido para a humanidade dar um tempo parece ser ‘caro’. Contudo, qual o valor a ser pago? Qual o valor da vida do seu pai? Qual o valor do teu emprego? Qual o valor da vida da sua mãe? Qual o valor de uma refeição? Qual o valor da vida dos seus filhos? Qual o valor de uma balada? Qual o valor da tua vida? As pessoas formulam questionamentos e elas mesmas buscam as respostas. E, nessa rotina, elas se esquecem de colocar-se no lugar do outro. Independentemente se é uma autoridade; alguém preocupado com a família; com o emprego ou com a sociedade. Faltam compreensão, leveza, cooperação, risos e paciência.

2020 é um ano para fazer história. Quem sabe 2020 é um convite para cada pessoa viver melhor a sua vida e com quem ama. Quem sabe 2020 queira demonstrar que o tempo é valioso. Quem sabe 2020 proponha a valorização das pequenas atitudes. Quem sabe 2020 queira apenas mostrar que “a vida é tão rara”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *