Queda de braço

A 2ª Promotoria de Justiça de Toledo encaminhou recomendações administrativas à 20ª Regional de Saúde, ao 19º Batalhão de Polícia Militar (BPM) e ao Corpo de Bombeiros. As recomendações visam o cumprimento do decreto estadual n. 4.942 publicado no dia 30 de junho, o qual determina medidas regionalizadas. Entre elas, destaca-se a suspensão por 14 dias das atividades econômicas consideradas não essenciais. Nesta quinta-feira (9), a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e demais órgãos fiscalizam os estabelecimentos no município.

Mais um capítulo nesta queda de braço para saber quem está com a razão quando, no fundo, a grande culpada pela disseminação dos casos não está nas decisões tomadas em gabinetes, mas sim no calor das ruas de Toledo, que nesta quarta-feira registrou mais um dia emblemático com números alarmantes. Nada menos que 106 novos casos foram confirmados, mostrando que enquanto não houver maior conscientização por parte do cidadão, de nada adiantarão as medidas de papel.

Por acaso os órgãos citados anteriormente fiscalizarão as pessoas que insistem em caminhar sem máscara o então portá-la de maneira equivocada? Por acasos os policiais estão indo às mais variadas festas – que não são poucas – realizadas em todo o município? Por acaso a Guarda Municipal tem agido de maneira mais contundente no sentido de impor respeito e estabelecer limites quanto ao cumprimento de uma lei sancionada ainda em abril, quando Toledo sequer imaginava viver momentos tão tensos em relação à Covid-19 como agora?

Não, não, não e não. E para qualquer pergunta neste sentido a resposta é rigorosamente a mesma: não!

Assim como também não surtiram tanto efeito assim os dez dias nos quais quase tudo permaneceu fechado em Toledo porque simplesmente uma boa parcela da população parece não estar nem aí para essa doença terrível, muito menos para o próximo, pois consigo mesma não está mesmo. A irresponsabilidade de alguns tem custado caro demais ao município e só não enxerga isso quem prefere se esconder nas brigas ideológicas que não levam a nada, nem a lugar algum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *