Mauro Picini Turismo 21/05/2020

Sindhotéis completa 45 anos em período desafiador para a hotelaria e a gastronomia

Aniversário é marcado por força-tarefa para atender empresas do setor em meio à crise econômica provocada pelo novo coronavírus

Neuso Rafagnin   – Presidente do Sindhotéis

O Sindhotéis completa 45 anos nesta terça-feira, 19, em um momento de desafios sem precedentes para o Destino Iguaçu decorrentes da pandemia do novo coronavírus. Desde o fim de março, o Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares tem realizado uma força-tarefa para apoiar as empresas do setor no enfretamento da crise econômica.

O presidente do Sindhotéis, Neuso Rafagnin, afirma que o cenário requer avaliações para tomada de medidas assertivas em defesa dos 180 meios de hospedagem, entre hotéis, pousadas, albergues e hostels, além de em torno de 200 estabelecimentos gastronômicos de interesse turístico.

O turismo é a principal indústria de Foz do Iguaçu, tendo sido um dos primeiros setores atingidos pelas restrições impostas pelos governos municipal, estadual e federal no enfrentamento da pandemia. E será, com certeza, o último a retornar ao “novo normal”. A expectativa é a de que o começo da retomada do fluxo turístico ocorra no fim do ano.

“A nossa tradicional confraternização de aniversário com associados e amigos está transferida para o fim do ano e será à altura desse aniversário simbólico de 45 anos. Agora é hora de unir ainda mais os esforços de todos para superarmos, juntos, os problemas causados pela pandemia”, afirma o dirigente.

 

Força-tarefa – Antes mesmo de 23 de março, quando a hotelaria e a gastronomia foram fechadas por força de decreto municipal para evitar o contágio da covid-19, a entidade iniciou as ações para preservar empregos no setor e amenizar os prejuízos financeiros dos estabelecimentos (associados ou não ao sindicato). Sempre buscando diálogo com governos municipal, estadual e federal.

O sindicato, destaca Neuso Rafagnin, tem registrado várias conquistas sucessivas, como acordos coletivos de trabalho, suspensão de contratos de energia e reabertura da hotelaria e gastronomia. Os esforços são permanentes, executados pela diretoria executiva e assessoria jurídica no atendimento aos empresários que buscam orientação.

“É também neste momento de crise que a figura de um sindicato forte se faz necessária. Nesse sentido, o Sindhotéis não tem descansado para atuar diariamente de forma incisiva e com toda a sua força no sentido de buscar benefícios aos empresários do setor nesse período de pandemia”, ressalta o presidente.

As atuais vitórias seguem a trajetória de conquistas da entidade, desde a sua criação, em 19 de maio de 1975. Já na época do primeiro presidente do sindicato, Pedro Grad Roth, o Sindhotéis apoiou a construção do Centro de Convenções, a implantação de um sistema viário racional no período da construção de Itaipu Binacional, entre outras bandeiras históricas.

 

Representatividade – Entre as relações institucionais, o sindicato tem conquistado ampla representatividade em setores estratégicos da sociedade. As cadeiras ocupadas em entidades, conselhos e instituições garantem a defesa dos interesses dos associados em questões fundamentais para eles, além de demonstrarem a força do Sindhotéis.

O fortalecimento do sindicato visa a atender e representar as mais de 1,1 mil empresas de Foz do Iguaçu e outros nove municípios da região (Santa Terezinha de Itaipu, São Miguel do Iguaçu, Medianeira, Matelândia, Diamante D’Oeste, Itaipulândia, Missal, Ramilândia e Serranópolis do Iguaçu). Juntas, elas geram em torno de oito mil empregos diretos.

 

Ranking ICCA:

Foz do Iguaçu segue como a melhor não capital na recepção de eventos internacionais

Felipe Gonzalez – Presidente do Visit Iguassu

Apesar do número não ser tão favorável para o Brasil, que caiu 3 posições, a cidade permanece em terceiro lugar, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro

A Associação de Congressos e Convenções Internacionais – ICCA, divulgou na última semana seu ranking onde classifica os países e cidades que mais recebem eventos pelo mundo. O Brasil teve queda consecutiva e passa a ocupar a 20ª posição. Já na classificação interna, Foz do Iguaçu permanece em 3º lugar entre as cidades brasileiras e é a não capital que mais recebe eventos internacionais no país, tendo à frente apenas São Paulo e Rio de Janeiro.

O Visit Iguassu, que é associado e representante da cidade junto à associação, trabalha constantemente na pesquisa junto ao banco de dados da ICCA. Isso permite uma visão geral dos eventos internacionais e gera oportunidades de ofertar Foz do Iguaçu como futura sede.  Para se ter uma ideia da importância desse trabalho, de acordo com dados da associação, esse banco possui atualmente 21 mil séries de encontros que ocorrem regularmente, com 260 mil edições de reuniões e 12 mil associações internacionais cadastradas.

Esses números representam um amplo campo de pesquisas para o departamento de Eventos do Visit Iguassu. Trabalho que foi responsável pelo apoio e captação de mais de dois terços dos eventos ICCA ocorridos na cidade em 2019 e que garantiu a boa classificação. “Utilizamos o banco de dados da ICCA como ferramenta de trabalho. Com ele podemos identificar eventos em que podemos iniciar o processo de captação para Foz do Iguaçu. Esse processo é contínuo e faz parte das nossas atribuições na busca de resultado para nosso associado”, comenta Veronica Maia, gerente de Eventos do Visit Iguassu.

Além da classificação, a ICCA apresentou em seu relatório a maior taxa de crescimento de sua história. Somente em 2019, houve um crescimento de 317 registros com relação ao ano anterior que figurava como o mais positivo, totalizando 13.254 encontros rotativos. Para ser considerado um ICCA, o evento precisa ser internacional, ter periodicidade definida e rotativo, ser associativo, que tenha três ou mais edições com presença mínima de 50 participantes.

Para o Presidente do Visit Iguassu, Felipe Gonzalez, a divulgação dos últimos números da ICCA, demonstra um cenário a ser mais trabalhado ao longo do ano. “Acompanhamos um crescimento constante e, como entidade, temos o papel de buscar esses eventos para Foz do Iguaçu. Isso beneficia a cidade e, principalmente, as empresas que fazem parte do Visit, pois são elas que chancelam nosso trabalho. Acredito que isso será ainda mais fundamental com a retomada do turismo nos próximos meses, pós pandemia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *