Dakar 2024: Marcelo Medeiros é o único brasileiro na categoria Quadriciclo

0 838

O piloto brasileiro Marcelo Medeiros inicia a contagem regressiva para a sexta participação na maior e mais desafiadora prova de off road do planeta. O piloto da TAG Racing e tetracampeão do Sertões, inscrito na categoria Quadriciclo, está com tudo pronto para seguir viagem para a sua terceira disputa no deserto que abrange a maior parte da Península Arábica no Oriente Médio.

O 46ª Rally Dakar, que acontece pela quinta vez consecutiva na Arábia Saudita, de AlUla a Yanbu, manterá o nível de exigência da edição passada tanto no desafio do roteiro como dos concorrentes. Estão previstos aproximadamente 5.000 quilômetros cronometrados em 14 dias de evento (prólogo e 12 etapas), cruzando o território saudita, com 60% de trechos totalmente novos. Um total de nove acampamentos montados em uma grande faixa que vai de oeste a leste, cruzando a rota em ambas as direções até a chegada final em Yanbu, nas margens do Mar Vermelho.

O piloto conta sobre a preparação para encarar o desafio com uma rota que é um verdadeiro teste de resistência extrema. “A edição do ano passado foi muito difícil porque encaramos muito frio, depois muitas pedras e dunas infinitas. Os treinos foram intensificados, tanto com o equipamento quanto o físico desde o final do Dakar deste ano”, destaca Marcelo. “Tenho um veículo muito bom em mãos, para todo o tipo de terreno que iremos encontrar, fizemos alguns ajustes com reforços nos pneus para resistência a furos”, acrescenta.

“A expectativa para esta edição é atravessar toda a Arábia Saudita e concluir com êxito, principalmente a etapa 48 horas, que exigirá muito dos pilotos e inclui prazo máximo de chegada e ter de ficar próximo ao veículo de competição para largar do mesmo ponto sem apoio nenhum. Então, será bem mais exigente que os anos anteriores”, completa o competidor de São Luís (MA).

Medeiros comandará o quadriciclo Yamaha Raptor 700, sob o número #177. A equipe seguirá neste final de semana de São Luís (MA) a São Paulo (SP), depois AlUla, cidade que abrigou a primeira edição do rali na Arábia Saudita em 2020 e vem regressado repetidamente a AlUla em todos os anos posteriores.

Porém, desta vez, terão a oportunidade de mergulhar ainda mais na atmosfera dos sítios arqueológicos milenares: o princípio do acampamento de largada, que fez grande sucesso entre os competidores na sua versão costeira, foi agora estendido ao deserto, com o acampamento localizado nas proximidades dos majestosos templos construídos pelo Nabateus. Inspirando-se em edifícios que resistiram ao teste do tempo, esta é a forma perfeita de entrar no modo de aventura e descoberta antes de enfrentar os milhares de quilômetros do percurso.

Na próxima semana serão realizadas as atividades prévias no Sea Camp como as vistorias técnicas e administrativas, briefing e ajustes finais no veículo de competição. O primeiro dia de disputas, com realização do prólogo de 28 quilômetros com definição da ordem de largada, com percurso entre rochas, areia e paisagens deslumbrantes, que servirá de aquecimento dos motores para o enorme desafio. A primeira etapa no próximo sábado (6), com largada em AlUla e chegada em Al Henakiyah, após 632 quilômetros percorridos.

Dentro do Dakar, Marcelo Medeiros computou no ano passado quatro vitórias consecutivas e conclui na nona posição entre os quadriciclos. Em 2022, o piloto de São Luís (MA) completou em sexto em estreia na Arábia Saudita. O piloto de São Luís (MA) conta com outras três participações, quando a competição aconteceu na América do Sul. Em sua estreia, em 2016, e no ano seguinte o maranhense não finalizou a prova. Em 2018, ficou em quarto lugar entre os quadriciclos.

SÃO PAULO

Deixe um comentário