Manejo adequado pode reduzir impactos do frio na piscicultura

Monitorar a qualidade de água, manter densidade adequada no viveiro e evitar alimentação em excesso são algumas ações preventivas que podem colaborar para evitar perdas na piscicultura provocadas pelo frio. As temperaturas baixas registradas nos últimos dias, principalmente, na semana passada, podem refletir em até dez ou 15 anos.

De acordo com o médico veterinário do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (Iapar-Emater), da regional de Toledo, Gelson Hein, os produtores estão preocupados com os possíveis prejuízos devido a variação da temperatura, especialmente, com a chegada do inverno. Hein explica que a tilápia – ao longo dos anos – tem se adaptado a condição climática. Mas, a expectativa a partir desta semana é o aparecimento de doenças ou até casos de mortes da espécie. “Talvez o produtor tenha a necessidade de realizar alguns tratamentos mais curativos ao invés de preventivos”.

Hein cita que as mortalidades são registradas no dia a dia, no entanto, elas não comprometem a produção. “As mortes de tilápias ocorridas ocasionalmente são consideradas normais”.

MEDIDAS – Alguns fatores contribuem para o cultivo da espécie, como a alimentação do peixe. O médico veterinário sugere que o produtor deve manter um bom nível de alimentação antes do começo do inverno. “Assim o peso e o acúmulo de gordura serão mantidos e o peixe terá imunidade para esse período”.

Ele complementa que a alimentação no inverno deve ser mais controlada, pois o produtor deve observar que não tenha sobra de ração no tanque. Além disso, a movimentação do peixe no tanque e a luminosidade dos dias são fatores a serem observados.

Outra questões consideradas importantes são o manejo do oxigênio e da água. “O produtor deve ter cuidado, porque no período frio existe o aquecimento da água durante o dia e ela fica mais quente na superfície, porém na parte mais baixa a água continua gelada”, salienta Hein ao mencionar que o produtor deve evitar a coluna de água estratificada.

A tilápia sempre buscará ambiente com água mais quente, pois o peixe deseja estar em um ambiente com boa temperatura. Por isso, o produtor deve dar atenção a destratificação da coluna de água. “Assim, a temperatura mais alta da superfície será incorporada ao viveiro”, afirma Hein ao complementar que o produtor também deve evitar a troca de água. “Geralmente, a água que entra no viveiro é considerada gelada e ela torna o ambiente mais frio”.

Outra ação preventiva que pode ser realizada para controlar a mortalidade ou o surgimento de doenças no peixe, como fungos e bactérias, é o uso de sal comum. “O produtor deve buscar orientação de um profissional da área para ter o conhecimento da dosagem. O sal evita o surgimento e controla parasitas e fungos no viveiro”.

Da Redação

TOLEDO