Filme baiano SAUDADE FEZ MORADA AQUI DENTRO conquista prêmios Netflix e Paradiso na 47ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo

0 533

Produzido pelo coletivo Plano 3 filmes, obra tem direção de Haroldo Borges e distribuição da Cajuína Audiovisual

SAUDADE FEZ MORADA AQUI DENTRO recebeu na data de encerramento da 47ª Mostra de Cinema em São Paulo dois prêmios importantíssimos: o prêmio do Projeto Paradiso que vai dar apoio à obra para distribuição nas salas de cinema pelo Brasil e o Prêmio Netflix que vai licenciar os direitos de distribuição do filme pela plataforma.

É a primeira vez, depois de anos de exibições de filmes nacionais e internacionais, que a Netflix entregou um prêmio no festival. A empresa exibirá o filme em mais de 190 países.

Mais uma conquista de muito valor para o coletivo baiano Plano 3 Filmes e para a obra que já passou por mais de 20 festivais internacionais e já foi premiado como Melhor Filme dentro da Competição Novos Rumos – Première Brasil do Festival do Rio 2023 e com o troféu Astor Piazzola do Festival de Mar del Plata.


“Depois de tanto retrocesso, é maravilhoso ver que o cinema brasileiro retorne. O Nordeste e a Bahia foram protagonistas nessa luta contra o fascismo. Por isso, esse prêmio celebra não só o trabalho do nosso coletivo, mas também as conquistas de todo o nosso setor. Estamos muito felizes”, comemora o diretor Haroldo Borges.

SAUDADE FEZ MORADA AQUI DENTRO conta a história de Bruno, um menino de 15 anos que está perdendo a visão de forma irreversível. Com todas as incertezas da adolescência, amplificadas pela cegueira iminente, o filme converte o destino trágico de seu protagonista em um relato de aprendizagem coletivo.

Depois desses últimos anos de sombras, aonde parte da nossa sociedade parece ter ficado cega, queríamos contar uma história capaz de resgatar o afeto, a esperança, a empatia, a capacidade de olhar para o outro“, diz Haroldo Borges.

O projeto é viabilizado por meio do Edital Setorial de Audiovisual – 2019, com apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura da Bahia, e da Ancine, através Fundo Setorial Audiovisual. Além disso, tem apoio financeiro do Projeto Paradiso e do Dolby Institute.

Sinopse
Bruno tem 15 anos e está perdendo a visão de forma irreversível. Com todas as incertezas da adolescência, amplificadas pela cegueira iminente, a história converte o destino trágico de seu protagonista em um relato de aprendizagem coletivo.

Ficha Técnica
Direção:
 Haroldo Borges
Diretor Assistente: Ernesto Molinero
Roteiro: Haroldo Borges, Paula Gomes
Produção: Paula Gomes, Ernesto Molinero, Marcos Bautista, Haroldo Borges
Direção de Fotografia: Haroldo Borges
Direção de Arte: Marcos Bautista
Preparação de Elenco: Fátima Toledo
Produção de Elenco: Milena Pinheiro
Montagem: Haroldo Borges, Juliano Castro
Som: Pedro Garcia, Victor Coroa
Elenco: Bruno Jefferson, Ângela Maria, Ronnaldy Gomes, Terena França, Wilma Macêdo, Heraldo de Deus, Vinicius Bustani

Festivais
Festival Internacional de Cine de Mar del Plata, Argentina
International Film Festival of Kerala, Índia
Festival de Málaga, Espanha
BUFF Malmo, Suécia
Festival Internacional de Cine y Derechos Humanos, Argentina
Festival de Cine Cordobés, Argentina
Shangai International Film Festival, China
Muestra de Cine del Mercosur, Argentina
Festival de Artes Audiovisuales de la Plata, Argentina
Semana Internacional de Cine de Buenos Aires, Argentina
Giffoni International Film Festival, Itália
Tucumán Cine, Argentina
World Cinema Amsterdam, Holanda
Biopic Fest, Roma, Itália
Festival Internazionale del Cinema Nuovo, Itália
Festival Internacional de Cine Contemporâneo de Asunción, Paraguai
Festival do Rio, Brasil
Mostra Internacional de São Paulo, Brasil
FRAPA – Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre, Brasil
Filmar em América Latina, Suíça

Prêmios
– Prêmio Astor Piazzola ao Melhor Filme da Competência Internacional do Festival de Cine de Mar del Plata
– Prêmio de Melhor Filme segundo o voto do Público do Festival de Cine de Mar del Plata
– Prêmio Especial del Jurado pelo trabalho com atores no Festival de Cine de Mar del Plata
– Prêmio Humanista SIGNIS ao Melhor Filme do Festival de Cine de Mar del Plata
– Premio de Mejor Montaje concedido por EDA (Asociación Argentina de Editores Audiovisuales) no Festival de Cine de Mar del Plata
– Prêmio de Melhor Montagem da Competência Oficial do Festival de Málaga
– Prêmio de Melhor Filme do Festival de Artes Audiovisuales de La Plata
– Prêmio de Melhor Filme da Semana Internacional de Cine de Buenos Aires
– Prêmio de Melhor Filme do Festival Tucumán Cine, Argentina

Sobre Haroldo Borges
Haroldo Borges é parte do coletivo Plano 3 Filmes, onde realizou projetos como o documentário “Jonas e o Circo sem Lona” e o longa de ficção “Filho de Boi”. “Jonas e o Circo sem Lona” teve sua estreia no IDFA (Holanda) e recebeu 13 prêmios em festivais internacionais, incluindo o Prêmio do Público do Festival Cinélatino de Toulouse. “Filho de Boi” passou por festivais como o Busan IFF (Coreia do Sul) e o Festival de Guadalajara (México) e recebeu o Prêmio do Público no Festival de Málaga (Espanha). “Saudade fez Morada aqui Dentro” é o segundo longa de Haroldo, que nesse momento também está finalizando o documentário “Abraços do Fim do Mundo”.

Sobre a Plano 3 Filmes
O coletivo baiano Plano 3 Filmes está à frente de filmes como o documentário “Jonas e o Circo sem Lona” e o longa de ficção “Filho de Boi”, que circularam por festivais de mais de 30 países e foram apoiados por instituições como o Tribeca Film Institute, Bertha Foundation e Film4Climate. O projeto do longa Saudade fez Morada aqui Dentro recebeu 11 prêmios em sessões work in progress, incluindo o Prêmio Projeto Paradiso do Festival de Guadalajara, o Prêmio de Melhor Projeto Latinoamericano do Festival de Málaga e o Prêmio Primer Corte da Conferencia das Autoridades Audiovisuais e Cinematográficas Iberoamericanas (CAACI) no Ventana Sur.

Sobre a Cajuína Filmes
A Cajuína Audiovisual surge na intenção de contribuir com a diversidade na circulação e distribuição do audiovisual brasileiro, tornando-o mais representativo das pluralidades existentes no país. Sediada na Bahia, a Cajuína foca em projetos produzidos no nordeste, norte, centro oeste e demais localidades consideradas fora do eixo Rio-São Paulo.

Sinny Assessoria e Comunicação

Deixe um comentário