Membros do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná visitam Toledo

0 157

Fiscalização de obras, atividades educativas com crianças, palestras para os arquitetos e urbanistas e estudantes, além de ofertar atendimento aos profissionais da região Oeste do Paraná foram algumas das ações promovidas pelos membros do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná (CAU/PR). O grupo esteve na região na quinta-feira (25) e sexta-feira (26). O presidente da autarquia federal, Milton Zanelatto e o conselheiro Ricardo Sardo participaram do Programa Fim de Tarde do JORNAL DO OESTE e contaram os rumos da profissão.

Zanelatto afirma que uma das principais metas da atual gestão é o processo de interiorização das ações para garantir a presença do CAU/PR em cidades que ficam fora da região Metropolitana de Curitiba. “Os profissionais que atuam nos locais descentralizados solicitam atenção especial do Conselho. Nossa intenção é cobrir a maior quantidade de municípios do interior com ações de fiscalização, encontro com entidades de classe, visitas às instituições de ensino e assinaturas de acordos de cooperação com gestores municipais”.

INTERIORIZAÇÃO – Os integrantes do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná (CAU/PR) realizam um trabalho de interiorização. Zanelatto afirma que quando a autarquia foi criada 50% dos profissionais estavam em Curitiba e 50% no interior. Atualmente, 60% está no interior e 40% em Curitiba. “Os profissionais dos municípios do interior precisam ter a vivência com os conselheiros. Nós precisamos entender cada local para estabelecermos políticas públicas assertivas”. Os conselheiros já visitaram as regiões Sudoeste, Oeste, Litoral, entre outras.

O presidente do CAU/PR destaca que o órgão vem para a região com uma estrutura do Conselho, desde comunicação até a fiscalização. “Nós queremos entender a realidade do profissional e do cidadão na região. Assim, analisaremos como o Conselho pode colaborar neste processo participativo”.

REALIDADE – Atualmente, o Paraná possui em média 15 mil profissionais ativos de um universo de aproximadamente 19 mil. Um dos assuntos abordados no Conselho é o Ensino a Distância desta profissão. É um assunto que ainda gera polêmica, mas tratado com bastante seriedade.

Conforme Zanelatto, o Conselho tem a função de proteger a sociedade. “Nós devemos ter o mínimo de controle do estudante que está sendo capacitado e exercerá a profissão no futuro. Defendemos a qualidade no ensino e essa é a nossa exigência mínima. O Conselho tem como atribuição proteger a sociedade”.

PLANEJAMENTO – Outro tema abordado no CAU/PR é o planejamento urbano. Segundo o conselheiro Ricardo Sardo, o planejamento é algo recente no Brasil, apesar da profissão arquiteto ser antiga. “O curso de arquitetura foi regulamentado em meados dos anos 20 e 30 e esse profissional está presente em todas as ações do dia. O arquiteto é o responsável por planejar”.

Sardo comenta que a figura desse profissional faltou em alguns momentos no planejamento do Brasil. “Agora tentamos resgatar a figura do planejador, que é o que falta nas cidades de maneira resumida. Ainda é uma questão cultural e as pessoas precisam sentir essa necessidade. Brasília e Curitiba foram planejadas por arquitetos”.

Zanelatto complementa que Maringá é outra cidade planejada com arborização, calçada, enfim. “Foi se adequando a uma realidade para receber o turista, o comércio e outras atividades. A ciência por traz do desenvolvimento urbano que vai ajudar na tomada de uma ciência de decisão. Com o avanço da tecnologia, diversos arquitetos e alguns de renome planejam as cidades”.

O presidente do CAU/PR menciona que o fundamental do planejamento é o de gestão para muitos anos. “Esse planejamento é um instrumento para pensar a cidade por diversos anos. Assim, o Município não fica refém da decisão do prefeito. Existe gestor que ignora a história ou o passado de seu município e, por consequência, falha ao projetar o crescimento urbano”.

Ele enfatiza que arquitetura não é só urbanismo. “O profissional pensa assuntos impossíveis. O arquiteto é quem realiza sonhos e os sonhos não possuem limites. Quando começamos a sonhar não existem barreiras da física e o céu é o limite. A arquitetura desafia e lança tendência”.

Reunião Plenária do CAU/PR

A 155ª Reunião Plenária do CAU/PR aconteceu na sexta-feira (26), na Associação Comercial e Industrial de Cascavel (Acic). Dos 12 eventos previstos para 2023 destinados às plenárias, fiscalização e atendimento, a maioria será no interior do Paraná. As reuniões plenárias do Conselho analisam as prestações de contas financeiras e administrativas da autarquia federal. Todos os arquitetos e urbanistas foram convidados a participar do evento.

CAU Educa acontece na Escola Municipal Carlos Friedrich

Os estudantes participaram de diversas atividades – Foto: Divulgação

Com aulas lúdicas, que duram cerca de uma hora, os alunos dos anos iniciais do ensino fundamental têm contato com a Arquitetura e Urbanismo e descobrem a importância dessas áreas para a saúde das pessoas e para o desenvolvimento das cidades. Trata-se do CAU Educa, projeto do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná (CAU/PR). Na sexta-feira (26), as ações foram realizadas na Escola Municipal Carlos Friedrich, no Jardim Coopagro.

A diretora Jocelaine Nascimento de Mattos afirma que foi uma experiência divertida. “As crianças puderam ‘brincar de ser arquitetos’ e vivenciaram na prática, de forma lúdica, como de fato esse trabalho acontece”.

Ela salienta que a Escola Carlos Friedrich fica imensamente grata em poder colaborar com esses projetos. “São ações que só acrescentam na aprendizagem e no desenvolvimento dos nossos estudantes”.

MELHORIAS – O gerente de Fiscalização do CAU/PR, Gesse Lima, responsável pelo projeto relata que “as crianças precisam crescer entendendo que é possível mudar para melhor o ambiente onde vivemos. Elas podem ser os agentes de transformação. As aulas são divertidas e têm muita interação, já que o público infantil é muito curioso”, afirma. É ele quem vira o professor do dia e dá as aulas para a criançada de escolas públicas do estado, como ocorreu em Toledo.

De diferentes formas, seja com blocos de montar, papel, caneta e tesoura ou até com utilização de macarrão e massinha, a equipe do CAU/PR monta um bairro de maquete e ensina inclusive a importância do sol para as construções. “Nós apagamos as lâmpadas da sala de aula e fazemos de conta que o sol é a luz da lanterna do celular. Segurando o telefone, fazemos alguns movimentos com as mãos e explicamos a posição do nosso principal astro no inverno, no verão e nas outras estações do ano. Só com isso, por exemplo, os estudantes já conseguem entender como a luz solar é fundamental para as habitações e interfere especialmente na qualidade de vida das pessoas”, explica Gesse Lima.

ATENDIMENTO – No ano passado, o CAU Educa atendeu mais de 800 crianças em todas as regiões do estado. O projeto passou por 15 escolas, em dez cidades do Paraná.

O presidente do órgão de fiscalização federal Milton Zanelatto revela que o CAU Educa continuará com mais destaque neste ano e lembra que o projeto também tem a missão de conscientizar os pequenos alunos sobre os direitos de cada cidadão.

“Pode ser que andando pela cidade a criança encontre uma caçamba cheia de resíduos de material de construção em cima da calçada. Nesse momento, ela teria de desviar e correr o risco de andar pela rua para passar pelo trecho onde está colocada irregularmente a caçamba. Nessa hora, a criança pode mostrar o erro para os pais e alertar que é possível denunciar a situação”, finaliza Zanelatto.

Da Redação*

TOLEDO

*Com informações da Assessoria

Deixe um comentário