Pedra Escrita do Iguaçu: um achado arqueológico que conecta a Tríplice Fronteira com a Guerra do Paraguai  

0 45.909


Historiadores da UNILA apontam a descoberta de uma rocha com a inscrição “Vapor Brazil. Greenhalgh. 23/9/1869”, que chama a atenção por possibilitar a conexão entre a Tríplice Fronteira (Brasil, Argentina e Paraguai) e a Guerra da Tríplice Aliança (Argentina, Brasil e Uruguai contra o Paraguai). O historiador Pedro Louvain diz que, ao chegar relatos de populares e pescadores da região de uma pedra com inscrições históricas, foram ao local e verificou-se que se tratava de um afloramento de rocha basáltica no meio da vegetação nativa e a poucos quilômetros da fronteira visual do Parque Nacional do Iguaçu.

Louvain conta que não é possível ter a datação absoluta deste achado por tratar-se de um material lítico com inscrições não orgânicas, porém, é possível fazer um trabalho de datação relativa através do levantamento de documentação histórica, o que fornece evidências em torno da sua autenticidade. “De fato, teve um Vapor Greenhalgh que lutou na Guerra do Paraguai e que passou por aquela região nessa época, e há o hábito de embarcações, ao desembarcarem tropas, deixarem as inscrições em rochas”, relata ele.

Canhoneiras, como explica o historiador e professor Micael Alvino da Silva, são barcos pequenos equipados com canhões que eram utilizados em navegação fluvial, e a Greenhalgh pertenceu à Armada Imperial do Brasil (hoje Marinha do Brasil). Micael apresentou um parecer histórico sobre a “Pedra Escrita do Iguaçu”, dando como conclusiva a autenticidade da inscrição na pedra. “Em setembro de 1869, a Guerra do Paraguai já dava sinais de esgotamento. A capital Assunção estava sob ocupação do Exército Brasileiro desde janeiro daquele ano e o ritmo das operações no teatro central já havia diminuído. Justamente essa condição que torna possível que uma canhoneira por nome Greenhalgh tenha visitado a Tríplice Fronteira”, registra o parecer.


De acordo com informações da Marinha, essa canhoneira realmente existiu no período da guerra e, entre os anos de 1866 e 1869, esteve no Rio da Prata navegando, patrulhando e combatendo nas águas do Rio Paraná e outros da região. Porém, ainda é desconhecida a missão que a sua tripulação recebeu e que os levou ao Rio Iguaçu e, consequentemente, ao registro da Pedra Escrita do Iguaçu.

Todo o grupo de pesquisadores envolvidos comemora o achado arqueológico, mas é consensual também que a remoção da pedra para fins de conservação e futura exibição ao público se apresenta como uma possibilidade de ação de preservação do patrimônio nacional do Brasil e internacional da América do Sul.

Por fim, o pesquisador Micael Alvino da Silva ressalta que a Guerra da Tríplice Aliança é um assunto da memória histórica nacional brasileira e argentina. Contudo, para o Paraguai, a Grande Guerra (como o conflito é conhecido) deixou marcas profundas na sociedade nacional. “Não se trata de um assunto da memória histórica e distante, mas de uma temática presente e conhecida de todo cidadão paraguaio, devendo-se levar em consideração que o conflito possui diferentes abordagens”, considera.

Mais informações:

– Greenhalgh foi uma homenagem a um herói (João Guilherme Greenhalg) caído da Batalha Naval do Riachuelo (11 de junho de 1865)

– A rocha tem um peso estimado de 6 a 7 toneladas, tendo face frontal de um metro de altura e comprimento máximo de 2,9 metros.

– O local exato não é divulgado para garantir a sua conservação.

Deixe um comentário