Período de férias: pets precisam de cuidados especiais durante as viagens

0 151

O que fazer com os pets durante a viagem? Levar junto, deixar em casa (desde que sendo monitorado) ou em um espaço especializado são algumas dúvidas dos tutores. Pode ser algo divertido para toda a família levar os animais de estimação na viagem, mas é preciso cuidado. Antes de sair de casa é importante consultar um médico veterinário e garantir que todas as vacinas estejam em dia; entre outros cuidados para que as férias sejam bem aproveitadas por todos.

“Os cuidados são uso do cinto de segurança ou caixa de transporte, ambiente arejado, vacinação atualizada com carteira de vacinação para comprovação além de um atestado de saúde emitido pelo médico veterinário”, cita a médica veterinária, Maria Cecília de Lima.

Durante o trajeto, Maria Cecília destaca que nas paradas é importante oferecer água, alimento e passeio sempre com uso peitoral e guia – em locais estranhos é mais fácil eles se assustarem, tentarem fugir, atacar e brigar se tiver outros animais, por isso, é recomendado o uso do peitoral e guia.

Colocar uma identificação na coleira do bichinho, com nome e telefone, é algo que pode facilitar o reencontro caso o pet se perca. Além disso, eles também precisam estar bem assistidos, ou seja, o dono não pode esquecer de levar água, medicamentos do pet, a ração, cama, produtos de higiene do pet, além de sacolas plásticas para recolher as necessidades e assim manter o local limpo.

Alguns pets precisam de prescrição de medicamentos antieméticos, ou seja, para prevenção de vômitos ocasionados pelo enjoo do movimento do carro. “A medicação deve ser indicada para pets que vomitam ou que ficam muito ansiosos na viagem e compreendem antieméticos e em alguns casos sedativos – sempre devem ser prescritos pelo médico veterinário, nunca usar medicamentos sem orientação do veterinário”, alerta a profissional.

QUANDO OS PETS FICAM – Já quando os pets ficam em casa, a recomendação de Maria Cecília é manter os pets em local seguro, sem risco de fugas ou acidentes, livres de correntes, em ambiente confortável (arejado, fresco, limpo, com água de boa qualidade e alimentação adequada e em quantidade suficiente). Além disso, sempre com supervisão diária de uma pessoa responsável.

A orientação é que cada um escolha o que é mais viável, seja deixar sob os cuidados de um amigo, em um hotel para animais, contratar os serviços de cuidador, mas nunca deixa o animal sozinho em casa, pois podem acontecer inúmeras situações que podem colocar a vida do pet em perigo. Outra dica é deixar uma peça de roupa com o cheiro do tutor.

“Os animais são seres sencientes ou seja sentem emoções, tem dor e sofrem como nós, então trate os animais conforme gostaria de ser tratado. Estamos no Dezembro Verde, infelizmente, é uma época de muito abandono de animais e simboliza a importância da conscientização e do combate aos maus tratos em um contexto geral”, conclui.

Da Redação

TOLEDO

Deixe um comentário