Queda no preço da batata: depois de cinco meses de alta, registro queda no atacado, aponta Boletim da Conab

0 293

Depois de cinco meses de elevação, os preços da batata começaram a ceder nos principais mercados atacadistas do país. Em março, a média ponderada das cotações do tubérculo teve queda de 21,14%, em relação à registrada em fevereiro. A maior redução foi verificada na Central de Abastecimento (Ceasa) do Distrito Federal (- 61,81%), seguida da Ceasa Rio de Janeiro (-32,02%) e da Central de Pernambuco (- 22,81%). Os dados estão no 4º Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), divulgado nesta terça-feira (16) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). 

Os menores preços da batata foram verificados devido a maior oferta do produto e ocorreram mesmo com a elevada pressão de demanda, impulsionada pelos pratos típicos da quaresma, em particular, a Semana Santa. O boletim ainda mostra que esse movimento de queda continua nas primeiras semanas de abril.

Para a alface também foi verificada uma média ponderada negativa em relação à média de fevereiro (-14,11%), influenciada pelo comportamento do preço na Ceasa em São Paulo, onde os preços caíram 28,0%. Outra Central que apresentou redução no preço da alface foi a do Distrito Federal (- 60,0%). A cenoura também ficou mais barata no último mês nos principais mercados atacadistas. Queda influenciada pela maior oferta da raiz nos entrepostos. Em março houve aumento na quantidade do produto no mercado de 8,3% em relação a fevereiro e 9,8% em relação a janeiro.

Em contrapartida, tomate e cebola ficaram mais caros. Para o bulbo, a alta chegou a 11,74% na média ponderada. Segundo a análise da Conab, os preços não cederam em março, influenciados pela maior presença no mercado da cebola importada, com a melhor qualidade da cebola, e com a continuação e concentração da oferta no Sul do país. Já no caso do tomate a elevação chega a 19,23% na média ponderada, explicada pela redução na oferta. Esse comportamento de diminuição da comercialização do tomate nas Ceasas é reflexo da escassez do fruto em ponto de colheita.

Frutas

Em março, o movimento preponderante para os preços da laranja, mamão e melancia foi de alta. A maior elevação foi registrada na média ponderada do mamão, com incremento de 22,44%. De acordo com o Boletim da Conab, o calor e as chuvas no sul baiano e norte capixaba em fins de fevereiro e março, principais regiões produtoras da fruta, que comprometeram tanto o bom desenvolvimento quanto a qualidade e a colheita das frutas, influenciando na alta dos preços para as duas variedades de mamão.

No caso da laranja, houve elevação das cotações e pequeno aumento da comercialização, em meio à boa demanda e à continuidade da escassez da fruta nos pomares, no contexto de baixos estoques nacionais de suco e de altos preços, inclusive para contratos firmados para a próxima temporada. Para suprir a demanda no varejo, foi acelerada a colheita das laranjas precoces. A média ponderada de preços para a fruta no atacado teve alta de 10,39%.

Já a melancia teve aumento de preços e queda da comercialização na maior parte das Ceasas, exceto no DF e em Goiás, abastecidas por frutas de Uruana (GO). As safras baiana e gaúcha chegaram ao fim, e o incremento de oferta originário de Goiás e São Paulo foi lento, o que traz pressão de alta nas cotações

Apesar de uma leve queda na média ponderada, em março, o mercado atacadista de banana registrou elevação das cotações na maioria dos entrepostos atacadistas por causa primordialmente da restrição da oferta nacional, notadamente da banana prata, em período de entressafra na maioria das regiões produtoras. Essa configuração deve continuar pelo menos até maio, quando a produção historicamente aumenta em diversas zonas produtoras.

Já para a maçã, não houve grandes variações de preços, já que a oferta esteve controlada pelas companhias classificadoras das frutas, sendo as maçãs médias e grandes as preferidas pelos consumidores. Ainda assim, a quantidade comercializada aumentou na maioria dos entrepostos atacadistas influenciando na leve queda dos preços de 2,42%, ao considerarmos a média ponderada.

Exportações

No acumulado do primeiro trimestre de 2024, o volume total enviado ao exterior foi de 239,4 mil toneladas, queda de 5,88% em relação ao primeiro trimestre de 2023, e o faturamento foi de U$S 284,7 milhões (FOB), superior 12,31% em relação ao primeiro trimestre de 2023 e de 25,61% em relação ao mesmo período de 2022.

Destaque

Nesta edição, o destaque do Boletim traz o início dos trabalhos da Conab, junto  às Centrais de Abastecimento brasileiras, a fim de atualizar a publicação “Diagnóstico dos Mercados Atacadistas de Hortigranjeiros”, que teve a primeira versão divulgada em 2009.

“O documento busca demonstrar a importância das Ceasas como instrumento de abastecimento da população e o fortalecimento da agricultura brasileira, em especial a de pequeno porte e de base familiar. A revisitação dos temas da análise realizada em 2009, bem como a inclusão de novos itens na pesquisa, contribuirá para a abordagem atualizada e em sintonia com as demandas do momento e das expectativas de futuro”, pondera Juliana Torres, gerente de Produtos Hortigranjeiros da Conab.

Para elaboração do documento, serão realizadas entrevistas, bem como a aplicação de dinâmicas para prospecção de dados (podem ser realizadas por meios digitais, telefone ou presenciais), levantamentos literários, consultas públicas e registros fotográficos. As atividades terão início no dia 24 de abril, pelo Mercado do Produtor de Juazeiro na Bahia, com previsão de final do trabalho de campo para dezembro deste ano. A expectativa é que a publicação seja divulgada no primeiro semestre de 2025.

Outras informações sobre este trabalho da Companhia, bem como as informações completas sobre a comercialização de frutas e hortaliças no setor atacadista podem ser encontradas no boletim publicado na página da Companhia. Os dados estatísticos da Conab são levantados em dez Centrais de Abastecimento do país.

Deixe um comentário