Hospital Bom Jesus apresenta experiências do incentivo ao parto normal em Curitiba

A Associação Beneficente de Saúde do Oeste do Paraná (Hoesp), mantenedora Hospital Bom Jesus, apresentou as estratégias de incentivo ao parto normal durante o Seminário de Atualização da Linha de Cuidado Materno Infantil, na última sexta-feira (25), em Curitiba. O Bom Jesus foi um dos dois hospitais do Estado selecionado pela Secretaria de Saúde do Paraná (Sesa) para apresentar experiências exitosas do incentivo ao parto normal por profissionais de assistência obstétrica.

A enfermeira obstetra, Ariane Gargantini Penido, apresentou a estrutura do novo Centro de Parto Natural, além de dados dos números de partos e as estratégias que resultam na escolha do parto normal. De acordo com Ariane, a unidade hospitalar possui uma equipe multidisciplinar, promove curso de gestantes e visitas à maternidade (casais grávidos).

A equipe ainda demonstra a importância do Parto Natural para gestantes com procedimento cirúrgico eletivo agendado a humanização de todo o processo do parto com atenção, pintura gestacional, dança, carimbo da placenta, etc. “A equipe busca o conforto das gestantes e dos acompanhantes”.

Ariane enfatiza que a humanização em todo o processo do parto é um dos principais elementos que resultam nessa escolha. “O processo de acolhimento a gestante é fundamental para todo o processo”. A enfermeira obstetra explica que aproximadamente 10% das gestantes que já tinham procedimento cirúrgico eletivo agendado através do alto risco optaram pelo Parto Natural, após receberem informações e assistência de obstetrícia, todos os partos foram bem sucedidos”.

RECONHECIMENTO – A participação do Seminário de Atualização da Linha de Cuidado Materno Infantil é importante para a equipe do Hospital Bom Jesus. Segundo a superintendente da unidade hospitalar, Zulnei Bordignon, o convite demonstra o reconhecimento da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) pela qualidade de assistência prestada pela Hoesp. “A instituição ainda está comprometida a seguir os protocolos clínicos do Ministério da Saúde, focando sempre na humanização da assistência ao parto”.

Zulnei complementa que na obstetrícia, a equipe precisa criar vínculos para que tudo o que deve ser realizado no pré-natal e no trabalho de parto, seja digno de confiança da parturiente.

O Hospital Bom Jesus possui o Centro de Parto Natural. A estrutura possui recepção exclusiva para gestante e acompanhante; sala de triagem; consultório de admissão; sala de parto (alto risco) e sala de exames (cardiotocografia/ambulatoriais/medicações). Além disso, os quartos são completamente equipados, sendo um com banheira; sala de esta e área para deambulação.

O Seminário também serviu para revisar e atualizar a Linha de Cuidado Materno Infantil (Linha Guia), que é um trabalho multidisciplinar integrado, envolvendo um conjunto de ações de gestão assistenciais e que tem como objetivo garantir assistência à gestação, ao parto e ao puerpério das mulheres paranaenses e a saúde e desenvolvimento dos bebês até dois anos de idade.

EQUIPAMENTO – Na oportunidade, a Hoesp foi contemplada com um equipamento ultrassom de altíssima tecnologia, o qual vai trazer ainda mais qualidade na assistência para as gestantes vinculadas a instituição. “Toda equipe está radiante com a notícia. O nosso agradecimento ao secretário de Saúde Beto Preto e ao governador Ratinho Junior”, afirma Zulnei ao complementar que as imagens do equipamento apresentam uma boa resolução.

Na última quinta-feira (24), o Governo do Paraná, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), anunciou que investirá mais de R$ 36 milhões na Rede de Atenção Materno Infantil visando o fortalecimento dos protocolos assistenciais e a responsabilidade do cuidado compartilhado. O anúncio aconteceu durante o Seminário de Atualização da Linha de Cuidado Materno Infantil.

O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, afirma que “tudo isso só foi possível, porque lá atrás o governador Ratinho Junior nos confiou a missão de regionalizar a saúde e levar o serviço mais perto das pessoas”.

Na oportunidade, o representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Ariel Karolinski, destacou o Paraná por priorizar o cuidado materno infantil. “A redução da mortalidade materno infantil no Paraná é resultado de diversos investimentos. A OPAS e a Organização Mundial da Saúde se colocam à disposição para ajudar o Paraná a se tornar um estado cada vez com mais saúde e bem-estar para todas as mães, bebês e crianças”, disse.


INVESTIMENTOS*

Os investimentos anunciados incluem equipamentos de última geração, como 14 sistemas e equipamentos de ultrassom, dois conjuntos de endoscópicos, torre de laparoscopia, 20 computadores para os Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e recursos para aquisição de ultrassons para Atenção Primária à Saúde, repassado diretamente para os municípios. Somados, esses recursos chegam a R$ 18,67 milhões.

Foram contemplados o Hospital Regional do Litoral (HRL), Hospital do Trabalhador, Instituto Virmond, Santa Casa de Paranavaí, Associação Beneficente de Saúde do Oeste do Paraná, Hospitais Regionais de Telêmaco Borba e do Sudoeste e os Hospitais Universitários dos Campos Gerais, do Oeste do Paraná, de Maringá e de Londrina. Além disso, houve aumento no repasse para parto de risco habitual (de R$ 200,00 para R$ 400,00 por parto), partos de risco intermediário (de R$ 320,00 para R$ 640,00) e partos de alto risco (de R$ 100 mil/mês para R$ 120 mil ou R$ 130 mil/mês para cada hospital). Somente no ano passado, foram repassados R$ 7,6 milhões para estes serviços e agora o repasse deve ultrapassar R$ 13,2 milhões – acréscimo de mais de R$ 5,59 milhões. Para qualificar ainda mais o serviço, o Estado também investiu na bolsa de pós-graduação de enfermagem obstétrica, ofertada pela Escola de Saúde Pública do Paraná, passando de R$ 399,6 mil para R$ 492,7 mil (10 bolsas) e especialização em enfermagem obstétrica, com previsão orçamentária de R$ 267,3 mil para 40 alunos, durante todo o curso. Ao todo, serão R$ 760 mil em especializações.

Fonte Sesa


Da Redação*

TOLEDO

*Com informações da Sesa